Danilo Shelmman/UBER
Danilo Shelmman/UBER

Tuk-tuks começam a circular pela orla de Vitória

Triciclo motorizado, comum em países asiáticos, pode levar até duas pessoas, além do motorista, e chega a 35 quilômetros por hora

Matheus Brum, Especial para O Estado

31 de janeiro de 2020 | 11h16

VITÓRIA - Quem passou nesta semana pela orla de Vitória, capital do Espírito Santo, se surpreendeu com um veículo diferente em circulação. Na terça-feira, começaram a rodar 20 tuk-tuks, espécie de triciclo elétrico, comum em países asiáticos. O serviço do novo modal, trazido ao Brasil pela Uber em parceria com a Movida, é inédito no Brasil. O veículo pode carregar até duas pessoas, além do motorista, e tem cinto de segurança.

Neste início de operação, os 20 tuk-tuks estarão disponíveis nos bairros Mata da Praia, Jardim Camburi, Santa Lúcia e Santa Helena, que estão à beira-mar. O veículo só poderá ser chamado por usuários que estiverem e colocarem como destino ruas desses locais. Segundo a Uber, o preço mínimo da viagem é R$ 4, inferior ao cobrado pelos carros.

“Foi uma experiência divertida porque as pessoas passavam acenando e tirando fotos da gente no veículo”, contou o estudante Jacob Kilppel, de 23 anos, que pediu a corrida com o namorado, Ícaro Pratti, também de 23. “Além de ser divertido, o veículo é 100% elétrico e segue as tendências que pensamos para um mundo mais sustentável. E o preço também é mais baixo ao de um carro comum", disse Pratti.

Já a estudante Camila Pimentel, de 30 anos, se frustrou com o início do serviço. Ela pediu uma corrida da Avenida Leitão da Silva à Avenida Nossa Senhora da Penha, ambas em Santa Lúcia, mas no aplicativo não apareceu a opção do tuk-tuk. “Não vi ninguém que tenha conseguido chamar”, reclamou. Procura, a Uber não respondeu ao questionamento feito pelo Estado.

Para Silvia Penna, gerente de operações da Uber que atua com tuk-tuks em países asiáticos, Vitória foi escolhida porque tem um litoral considerado excelente para esse tipo de opção. Em nota, a Movida informou que há possibilidade de expansão do serviço conforme a aceitação do mercado e o nível de utilização por parte da população.

A Uber também não informou quantos motoristas - que precisam ter Carteira Nacional de Habilitação (CNH) A ou B - se cadastraram para dirigir o tuk-tuk.

Em nota, a Associação dos Motoristas de Aplicativo do Espírito Santo (Amapes) demonstrou preocupação com o tuk-tuk. “Estamos preocupados com a segurança dos passageiros e não tivemos conhecimento de treinamento aos motoristas.”

A Movida rebateu, afirmando que os veículos têm “todos os itens de sinalização de um carro tradicional, como piscas e luz de freio”. Um tuk-tuk pode alcançar até 35 quilômetros por hora. A Uber não se pronunciou sobre a preocupação da Amapes. Já a prefeitura de Vitória informou que o triciclo “deve circular pelas vias 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.