Túmulo de Machado de Assis é vendido no Rio

Quatro dias após publicar em um anúncio de jornal a venda do carneiro 1.359, da quadra 39, do Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio, os herdeiros de Machado de Assis conseguiram vender o túmulo que pertenceu ao escritor por R$ 120 mil. A nova proprietária, cujo nome não foi fornecido, é uma mulher, de mais de 50 anos, moradora da Avenida Vieira Souto. "Ela conversou comigo por telefone e afirmou que queria comprar o túmulo pelo seu valor histórico e pela sua boa localização", disse o corretor e marmorista Antônio Barbosa, que fez a negociação.Sobrinha-neta do escritor, Ruth Leitão de Carvalho Lima, de 88 anos, afirmou que a família decidiu se desfazer da sepultura depois que os restos mortais de Machado de Assis e de sua mulher, Carolina, foram transferidos, em 1999, para o mausoléu da Academia Brasileira de Letras (ABL). "A família tem outras sepulturas e eu certamente não seria enterrada ali", disse a sobrinha-neta do casal Assis. Ruth, que vai se encontrar com a compradora na sexta-feira para assinar os papéis de transferência, está satisfeita com a venda. "A vontade dele (Assis) prevaleceu. O que ele queria era ficar eternamente ao lado da minha tia Carolina", comentou.Machado, que morreu em 1908, quatro anos depois de sua mulher, adquiriu o carneiro em 2 de dezembro de 1899. O jazigo fica em lugar considerado nobre no Cemitério São João Batista, próximo ao Cruzeiro, e vizinho de túmulos de outras pessoas famosas como Santos Dumont, Carmem Miranda e Vicente Celestino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.