Túnel cavado pelo PCC em Porto Alegre começa a ser fechado

O túnel aberto pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) em direção à matriz do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) começou a ser tapado nesta quinta-feira,8, por uma equipe da Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov), de Porto Alegre. A Polícia Federal frustrou o plano da facção durante a Operação Toupeira, iniciada na sexta-feira, 1, que resultou na prisão de 26 pessoas.Os 20 metros finais da escavação, sob a rua Siqueira Campos, foram enchidos com 35 toneladas de concreto, num trabalho que durou pouco mais de meia hora, no início da tarde. A intervenção foi feita um dia depois de a Polícia Federal concluir a perícia e a tempo de evitar que o pavimento, já rachado, cedesse, o que poderia exigir uma obra maior e causar transtornos aos motoristas. A rua tem grande movimento de veículos nos dias úteis, mas fica quase deserta aos domingos e feriados, como este 7 de Setembro.O secretário de Obras e Viação, Maurício Dziedricki, disse que os 60 metros restantes, que percorrem o subsolo de três prédios e um trecho de calçada na rua Caldas Júnior, serão preenchidos, também com concreto, na próxima segunda-feira.O túnel foi escavado a partir do subsolo de um edifício localizado na esquina da rua Caldas Júnior com a avenida Mauá e em direção ao Banrisul e também à agência central da Caixa Econômica Federal (CEF).A Polícia Federal, que frustrou o plano prendendo 26 pessoas na sexta-feira passada, acredita que se chegassem aos cofres dos dois bancos, os ladrões poderiam levar R$ 200 milhões em dinheiro e jóias. Também calcula que o PCC investiu R$ 10 milhões na operação. O dinheiro foi gasto com a aquisição do prédio, aluguel de uma casa, passagens, alimentação e estadia para o bando e subornos, entre outras despesas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.