Túnel resgata história de Santos

Feito em 1894, ele foi descoberto por acaso por um marceneiro e deve ser usado como atrativo turístico

Rejane Lima, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

Um buraco nos fundos de uma marcenaria no Centro Histórico de Santos desvendou um antigo mistério na cidade: o túnel por onde passa o Rio Nossa Senhora do Desterro, fechado provavelmente em 1894. Com 3 metros de profundidade, o túnel mede em média 1,10 metro de largura e 1,90 de altura. "Historicamente falando, é uma descoberta fabulosa", diz o historiador Waldir Rueda. Estudioso da fundação de Santos, ele acredita que o percurso do túnel pode confirmar a antiga lenda que fala de uma ligação subterrânea entre a Igreja do Valongo e o Mosteiro de São Bento.Segundo Rueda, a novidade é que o túnel condiz com a descrição de um mapa de 1822. "No mapa a gente vê bem que ele passa embaixo dos imóveis e, se não tivesse aparecido esse buraco na marcenaria, a gente nunca o descobriria."O barulhinho da água corrente era o que mais intrigava o marceneiro Márcio Ricardo Fidalgo, que há um ano e meio alugou um velho imóvel da Rua São Bento, no Valongo, com um buraco no quintal. "Não tinha cheiro ruim, mas um vizinho que via do alto vivia falando para eu cimentá-lo." Fidalgo carpia e limpava a área quando se deparou com o buraco.Testes da Sabesp mostraram que a água vem de nascente, pois não tem cloro. "O rio corria a céu aberto, nascia no Morro São Bento e desaguava no cais, mas, em 1894, com a campanha sanitária por causa da epidemia de malária de 1892, fecharam o rio com o arco de tijolos", explica o historiador.A canalização começou com a Vila de Santos, em 1546, quando foram construídas margens de pedra para o rio correr. O arqueólogo Manoel Mateus Gonzalez explica que o túnel mostra a transição da cidade e as mudanças de tecnologia. Sua construção teve ainda uma fase intermediária, por volta de 1850. "Em cima do muro de rocha e sob tijolos, há argamassa antiga, feita de concha moída, areia e óleo de baleia."Outra constatação foi a de que a sociedade antiga vivia 3 metros abaixo do atual nível da rua. "Achamos artefatos arqueológicos, garrafas de grés de 1830 que vinham da Alemanha com água gasosa, vendida como remédio, faiança fina inglesa", conta Gonzalez, que constatou que ele tem 762 metros.A descoberta pode incrementar o turismo no centro de Santos. Rueda, que por enquanto explora o túnel com Gonzalez sem qualquer financiamento, acredita que o túnel também passa sob as ruínas do Casarão do Valongo, onde será construído o Museu Pelé. O local está a apenas 50 metros da marcenaria.O prefeito João Paulo Tavares Papa (PMDB) prometeu procurar a dupla para desenvolver projeto turístico no local. "Essa é certamente uma descoberta que será transformada em curiosidade turística", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.