Turismo ganhará R$ 6 bi em emendas

Valor é superior ao destinado para projetos em áreas como saneamento e tecnologia

Edna Simão / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2010 | 00h00

O programa "Turismo Social no Brasil: Uma Viagem de Inclusão" ganhou mais de R$ 6 bilhões em emendas dos parlamentares na proposta de orçamento de 2011. O valor é superior ao destinado para projetos nas áreas de saneamento básico, preservação do meio ambiente, prevenção contra desastres e ciência e tecnologia.

A estratégia dos parlamentares é concentrar recursos em iniciativas que custem pouco e possibilitem visibilidade em número maior de municípios.

Apesar de o valor ser expressivo, a ação do Ministério do Turismo, que foi líder de emendas na proposta de orçamento de 2010, perdeu espaço para a "Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada". Para essa ação, os parlamentares pediram um reforço de R$ 7,09 bilhões.

O objetivo do programa "Turismo Social no Brasil: Uma Viagem de Inclusão" é incentivar idosos e adolescentes a viajarem mais e, ao mesmo tempo, estimular o crescimento de economias locais com investimento em qualificação profissional e pequenas obras de infraestrutura.

Outros programas não tiveram a mesma atenção dos parlamentares. Por exemplo, os "serviços urbanos de água e esgoto" receberam emendas de R$ 906,650 milhões e "infraestrutura hídrica", R$ 764,072 milhões. Uma ação para "ciência, tecnologia e inovação para inclusão e desenvolvimento social" teve R$ 780,60 milhões em emendas.

A situação não é diferente para o programa sobre "prevenção e preparação para desastres" que recebeu um pedido de aporte de R$ 356,41 milhões na previsão orçamentária.

Estratégia. Segundo o relator-geral do Orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF), como podem apresentar até 25 emendas limitadas a R$ 13 milhões, os parlamentares têm diluído as emendas em vários programas e setores para atender um número maior de municípios.

As obras estruturantes e de elevados investimentos, como de saneamento básico, estão ficando nas mãos do governo federal.

Na proposta de orçamento para o primeiro ano da presidente eleita, Dilma Rousseff, está previsto um investimento de R$ 44 bilhões, excluindo o Programa Minha Casa, Minha Vida.

"Com emendas em esporte e turismo, os parlamentares conseguem atender mais municípios com pequenas obras de infraestrutura", destacou Argello, acrescentando que emenda de menor valor tem mais chance de ser atendida.

A proposta de orçamento de 2011 recebeu mais de 10 mil emendas individuais (de cada parlamentar) e coletivas (de comissões e bancadas), o que representa gastos de R$ 72,115 bilhões.

Receberam mais emendas os setores de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Esporte (R$ 13,832 bilhões), Justiça e Defesa (R$ 9,582 bilhões) e R$ 9,051 bilhões para infraestrutura (R$ 9,051 bilhões).

A tarefa de definir quais pedidos serão contemplados não será nada fácil. Os relatores setoriais e o relator-geral, senador Gim Argello (PTB-DF), têm um pouco mais de R$ 9 bilhões para atender todas as demandas. A expectativa de Argello é votar o relatório final do orçamento até o dia 18 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.