Turismo Seguro recolhe nove menores nesta segunda

Nesta segunda-feira, sexto dia da operação Turismo Seguro, a polícia recolheu o número mais baixo de crianças desde o início da operação: nove menores. A ação tem o objetivo de coibir os assaltos a turistas no Rio. Desde o dia 17 de novembro, foram levadas para a central de recepção da secretaria 197 crianças, mas apenas 36 permanecem no centro de triagem da prefeitura."A operação fez uma curva para baixo porque não está articulada com a secretaria, com a Polícia Militar, com o juizado de menores e com a Promotoria da Infância e Juventude", criticou o secretário municipal de Assistência Social, Marcelo Garcia. Nesta terça, ele tem uma reunião com sua equipe para cruzar informações sobre os menores recolhidos. Garcia acredita que a polícia está recolhendo as mesmas crianças. "Tem muito menor que já passou por aqui (nessa operação). Vamos tentar cruzar as informações para chegar às famílias delas". Para isso, até marcas físicas, como manchas e cicatrizes, serão levadas em conta.No primeiro dia de operação, na quarta-feira passada, das 31 crianças levadas ao centro, nenhuma ficou; no segundo, das 69 encaminhadas para lá, apenas uma permaneceu; no terceiro, dos 47 menores ficaram 17; no quarto, 30 entraram e 14 ficaram; no quinto, dos 11 menores apreendidos, apenas três continuam no centro. No sexto dia, das 9 crianças recolhidas na rua, só uma ficou.Os menores viraram alvo da operação Turismo Seguro porque seriam os principais responsáveis pelos assaltos aos turistas. Procurado para rebater as críticas, o delegado Cláudio Áscoli, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que coordena a ação nas ruas, não foi encontrado.Busca - A polícia ainda não conseguiu prender o menor de 17 anos suspeito de ter matado o turista espanhol Juan Carlos Ronceiro, de 34 anos, na última sexta-feira, após uma tentativa de assalto no Aterro do Flamengo, zona sul. Os outros três comparsas (dois menores) foram capturados horas depois do crime.Os policiais também estão à procura dos quatro assaltantes que roubaram US$ 20 mil de um grupo de angolanos que trabalhavam na empresa aérea TAAG. Eles estavam dentro de um ônibus de turismo, interceptado no Elevado da Perimetral, na altura da Praça Mauá (zona portuária), no domingo. No fim da tarde de segunda, foi divulgado o retrato falado de dois criminosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.