Turista alemã é vítima de violência sexual no Ceará

Jovem de 24 anos passeava pela praia com um amigo na noite de Natal quando foi assaltada e estuprada

Lauriberto Braga, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

27 de dezembro de 2015 | 11h54

FORTALEZA - Uma turista alemã de 24 anos registrou Boletim de Ocorrência por violência sexual na Delegacia de Sobral (CE), a 240 quilômetros de Fortaleza. A jovem contou que passeava com um amigo austríaco pelas dunas da praia na noite de Natal quando, por volta das 4h da madrugada, foi atacada por um homem que a estuprou e levou sua máquina fotográfica, telefone celular e R$ 400,00. 

O resultado do exame de corpo de delito da jovem, feito na Perícia Forense de Sobral, sai nesta segunda-feira, 28.

Segundo a turista, o homem estava de bermuda, sem camisa e de mochila. Ele era moreno, cabelo curto e liso, com estatura mediana. Ela contou ainda que o amigo austríaco nada pode fazer para evitar o estupro.

A jovem está em Jericoacoara desde 22 de dezembro e pretende voltar para a Alemanha tão logo saia o laudo do exame. A Polícia aguarda o resultado para abrir o inquérito, mas já começou as buscas para prender o estuprador que, suspeita-se, seja um nativo de Jericoacoara.

No Natal de 2014, também em Jericoacoara, a turista italiana Gaia Molinari morreu estrangulada perto de Pedra Furada, em Jeri. A principal suspeita da morte foi a professora brasileira Mirian França, que passou 16 dias presa, mas foi solta por falta de provas. Mesmo depois de um ano do ocorrido, a Polícia ainda não conseguiu esclarecer o caso.

Também não foi encontrado o turista argentino Leonardo Ludicello, de 30 anos. Ele acampava em Jeri e o último contato feito com a família foi em 9 de julho passado, quando pediu a passagem de volta para Buenos Aires. No dia 14 de julho, sua barraca foi incendiada. 

Segundo a polícia, o argentino foi visto em um posto de combustível em Sobral em 7 de outubro, com destino a Lençóis Maranhenses (MA). Ele chegou ao Brasil em 17 de março, onde ficou por três meses na Praia da Pipa (RN). Depois seguiu para Jeri, onde desapareceu.

Mais conteúdo sobre:
Cearáviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.