Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Turista italiano acusado de abusar da filha passa mal e é internado no Ceará

O turista italiano acusado de assediar a filha de 8 anos na piscina da barraca de praia Croco Beach, em Fortaleza, foi internado no Hospital Gênesis. Ele teve uma crise de pressão alta após ser informado de que o Tribunal de Justiça negou, no sábado, o pedido de habeas corpus feito pelo advogado Flávio Jacinto. Hoje, a juíza Maria Ilna de Castro, da 12ª Vara Criminal do Ceará, deve se posicionar sobre o pedido de anulação do flagrante apresentado na sexta-feira pela defesa do italiano.

Carmen Pompeu, FORTALEZA, O Estadao de S.Paulo

08 de setembro de 2009 | 00h00

O turista está preso há sete dias . O quarto é vigiado por policiais. Ivana Timbó, titular da Delegacia de Combate à Exploração de Crianças e Adolescentes, ouve hoje mais três testemunhas do caso. São funcionários da barraca onde a denúncia foi feita. Até agora cinco foram ouvidas, entre elas a garota e a mãe. O inquérito deve ser concluído na quinta-feira.

A mãe da garota, uma brasileira de 38 anos, disse acreditar que o casal que fez a denúncia sobre o assédio se enganou. Ela garante que estava o tempo todo perto do marido, versão contestada também pelo gerente da barraca, Heitor Batista. "São selinhos, não são beijos de língua. Ela é muito apegada ao pai. Eu também faço com ela."

O casal autor da denúncia deu entrevista ontem, sem se identificar a um canal de TV local e nega ter visto relação de pai e filha. "Quando eu vi pela primeira vez, pensei que fosse um casal namorando. Só aí eu vi que era uma criança", descreveu a mulher. "Se tratava claramente de uma situação em que um homem mais velho acariciava de uma forma muito quente uma garota de menos de 10 anos", afirmou o homem.

O delegado que fez o flagrante, Barbosa Filho, afirmou ter agido conforme a nova legislação penal, publicada no mês passado, que diz que ato libidinoso com menor de 14 anos são considerados estupro, com pena mínima de oito anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.