Turista mexicano cai de transatlântico no mar do RN

Passageiro, que ainda não foi encontrado, estava em embarcação da MSC Divina, que fazia trajeto entre Fortaleza e Recife

Ângela Lacerda, Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2014 | 10h12

Atualizado às 12h24

Um turista mexicano caiu de um transatlântico no mar durante trajeto entre Fortaleza e Recife no final da tarde desta quarta-feira. Buscas feitas desde então ainda não conseguiram localizá-lo.

O navio de bandeira panamenha, da companhia MSC Divina, tinha a bordo cerca de 3 mil mexicanos que vieram ao Brasil para assistir aos jogos da Copa.

De acordo com nota do 3º Distrito Naval, o passageiro caiu a cerca de 50km ao norte do Cabo Calcanhar, no Rio Grande do Norte.

Ainda segundo a nota, o navio-patrulha "Macau", sediado em Natal, foi deslocado para o local do acidente para realização das buscas. O Centro de Hidrografia da Marinha também está emitindo avisos náuticos de alerta para outras embarcações que estavam nas proximidades do acidente.

A MSC Divina não informou o nome do passageiro. O transatlântico foi autorizado a seguir o roteiro e atracou no terminal marítimo do Recife nesta manhã.

De acordo com relatos de passageiros e um funcionário que não quis se identificar, o jovem desaparecido encontrava-se na área da piscina quando tirou as sandálias, avisou que iria parar o barco e se jogou. Embora houvesse muita gente ao redor, poucos deram atenção ao rapaz, pois ele estaria bêbado. No momento, os demais passageiros viam o jogo entre Espanha e Chile.

Nelva Damian Trevino contou que ele estava acompanhado de uma moça, para quem teria anunciado no dia anterior o desejo de se atirar do barco, mas ela não acreditou e pensou ser apenas uma brincadeira.

Omar Shedid disse que estava com a família quando ouviu o alarme do transatlântico, informando que havia um homem na água. “A nossa família rezou por ele, mas lamentavelmente, ele não foi encontrado.”

Edgar Garzón disse que quando ocorreu a tragédia, o navio parou por várias horas e os botes desceram para procurá-lo.

Um funcionário que pediu para não ser identificado confirmou o relato dos passageiros e disse que o homem era discreto, não estava com família, mas que talvez tivesse um amigo. No entanto, nenhum acompanhante foi identificado até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.