Turista não foi morto por tubarão, diz polícia

A polícia civil de São Sebastião, no litoral norte do estado de São Paulo, descartou que a morte do jovem André Luiz Lopes, de 20 anos, tenha sido provocada por mordida de tubarão. O estudante morreu no último domingo afogado, segundo conclusão do laudo da polícia civil.A respeito dos ferimentos que a vítima apresentava na face, o delegado José Luiz Tibiriçá, responsável pelo caso, informou terem sido ocasionados por mordidas de outros peixes que geralmente se alimentam de cadáveres."Enviamos as fotos da vítima para dois especialistas em tubarão, e os dois concluíram que a mordida era muito pequena para ser de um animal como aquele." Os ferimentos foram avaliados por Otto Bismarck Gadig, especialista em ataques de tubarão no Brasil, e Vidal Haddad Júnior, médico especializado em acidentes com animais marinhos, da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu (SP).Segundo o delegado, os especialistas explicaram que uma mordida de tubarão causaria a quebra dos ossos e ferimentos muito mais profundos. "Um tubarão teria até arrancado a cabeça na mordida".Outro aspecto relevante é que, quando o animal morde, perde os dentes na vítima, e nenhum dente foi encontrado. Os estudiosos também ressaltam que as mordidas são de peixes pequenos de várias espécies e não apenas de um tipo, o que caracteriza que a vítima tenha sido ferida depois de morta.Haddad Jr. diz em seu laudo que os ferimentos são muito semelhantes a lesões causadas por mordidas de peixes em corpos de pessoas que morrem afogadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.