Turistas dizem ter sido agredidos na boate Sirena

Duas pessoas foram agredidas em uma briga na madrugada de domingo na boate Sirena, em Maresias, São Sebastião, no litoral norte. Durante a confusão, tiros teriam sido disparados para o alto por um policial à paisana, que supostamente trabalhava como segurança no local. A ocorrência foi registrada no 2º DP de São Sebastião, responsável pelas investigações. Segundo o delegado Jairo Luiz Pinto Pontes, o fato foi registrado como lesão corporal pelos turistas Marcos Gonçalves Oliveira, de 31 anos, e Adriano Ferreira Maciel, de 30, moradores de São Paulo. Eles contaram à polícia que a confusão começou quando, já no final da madrugada, foram pagar a conta no caixa da boate. Disseram que não concordavam com o valor cobrado pela casa e pediram que fosse refeita a conta. As pessoas da fila começaram a reclamar da demora e a confusão começou. Segundo o depoimento dos turistas, eles foram agredidos com socos e chutes pelos freqüentadores e também pelo policial à paisana que deu os tiros para o alto. "A história que eles contaram foi essa. Mas achamos meio confusa. Não conseguiram identificar quem era o policial, o que estamos investigando", disse o delegado Pontes. Na tarde de ontem, policiais estiveram na boate para avaliar a situação do local, mas o estabelecimento estava fechado. "Temos que esperar o final de semana para ouvir os funcionários e saber realmente o que houve", prosseguiu Pontes. A direção da Sirena não foi localizada ontem para comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.