Turistas reclamam da má conservação da praia do Guarujá

O tempo nublado não desanimou os milhares de turistas que decidiram passar o feriado prolongado na Baixada Santista. Em Guarujá, muita gente aproveitou a trégua da chuva para ir à praia, caminhar e comer petiscos de frente para o mar. Mas a ausência do sol não foi a única queixa dos turistas que escolheram a cidade para passar os dias de folga. Muita gente reclamou da má conservação do calçadão da orla da praia da Enseada, dos entulhos e dos quiosques de alimentação. A área foi prejudicada com uma forte ressaca no mês passado.De acordo com a presidente da Associação de Quiosqueiros de Guarujá, Marta Pereira de Santana, metade dos 96 quiosques da Enseada sofreram algum dano na ressaca de 3 de setembro e 12 deles foram destruídos completamente. No último mês, dez comerciantes conseguiram reconstruir seus negócios de olho nos lucros deste feriado, mas dois quiosques permanecem fechados.O comerciante José Sales da Silva foi um dos que teve seu quiosque completamente destruído. No entanto, ele conseguiu reabrir o quiosque na última quinta-feira, primeiro dia do feriadão. "Eu investi R$ 23 mil na reforma e a prefeitura não ajudou com nada, mas pelo menos o movimento tem sido bom apesar da chuva", diz Sales.Marta conta que a prefeitura prometeu retirar o entulho e arrumar as calçadas antes do início da temporada. "Há um projeto para retirar os quiosques da faixa de areia que agora parece que vai começar a sair do papel".O empresário Francisco José Schifin, de São Paulo, que costuma visitar sempre a cidade, criticou a prefeitura pelo estado da praia. "Eles deixam tudo para a última hora. A prefeitura deveria ter feito um mutirão para tirar o entulho antes do feriado". Sales disse que vai ao Guarujá para descansar e se irritou mais com a conservação da praia que com o mau tempo. "Eu preferia que estivesse sol, mas o pior de tudo é o relaxamento da prefeitura com essa praia, a melhor da cidade, na minha opinião".Um grupo de Ribeirão Preto (SP) que visita a cidade pela primeira vez também reclamou da má conservação do calçadão e dos quiosques. "Esses buracos estão muito feios e falta um banheiro nessa praia", disse a auxiliar administrativa Vânia Ferreira. De acordo com a presidente da associação dos quiosqueiros, o projeto que mudaria a área dos quiosques para o calçadão prevê também a construção de banheiros.A prefeitura afirmou que não reconstruiu os quiosques destruídos porque há uma ação no Ministério Público que torna essa ajuda ilegal. De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, as construções foram erguidas em uma área proibida, pertencente à Defesa Civil. A prefeitura teria aberto uma linha de crédito no banco do povo para os quiosqueiros.Quanto aos entulhos, a resposta do poder público foi que os próprios quiosqueiros pediram que não fossem retirados por pretenderem reutilizá-los na reconstrução da área. Para tristeza dos turistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.