TV Câmara passa a ter verba recorde

Mesa Diretora tira recursos da reforma do prédio e dos precatórios para modernizar a comunicação via internet

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

17 de abril de 2009 | 00h00

Menos de quatro meses após autorizar um corte de 7,5% no orçamento do Executivo, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo aumentou ontem em R$ 3,5 milhões as verbas de comunicação para 2009. Agora, os 55 parlamentares terão até o fim do ano verba recorde de até R$ 17,470 milhões para gastos com publicidade, valor 59,5% maior que os R$ 10,4 milhões consumidos em 2008. Os R$ 3,5 milhões a mais foram transferidos de recursos destinados à reforma do prédio do Legislativo e ao pagamento de precatórios. O dinheiro seria suficiente, por exemplo, para a construção de seis creches.O aumento da verba de comunicação foi decidido em reunião da Mesa na quarta-feira. Procurados ontem, os vereadores responsáveis pelo ato de transferência das verbas se esquivaram de falar do assunto. Das 11 às 17 horas, nenhum parlamentar procurado pelo Estado soube dizer qual a finalidade da suplementação. A resposta só veio no início da noite: a "reserva técnica", como chamou a Mesa, será aplicada na modernização das transmissões da TV Câmara via internet.Por seis horas, os integrantes da Mesa Diretora fizeram um jogo de empurra-empurra sobre quem falaria dos R$ 3,5 milhões. O primeiro-secretário geralmente é designado para comentar resoluções da Casa. No cargo desde janeiro, Francisco Chagas (PT) jogou a responsabilidade para o vice-presidente, Dalton Silvano (PSDB). "É o Dalton que sabe desse assunto, pode ligar para ele", disse às 12h30.Em seguida, Silvano foi contatado por celular. Ele foi designado também pela presidência da Câmara para comentar o assunto. Silvano, publicitário, declarou que a transferência era "ato de rotina, não muda nada, é do trâmite da Casa". Procurados, de novo, à tarde, Chagas e a Assessoria de Imprensa da presidência voltaram a falar que só Silvano falaria sobre o ato, publicado ontem no Diário Oficial da Cidade. Milton Leite (DEM), segundo secretário, disse não saber do que se tratava. "Não participei da reunião, não sei para que serve. Se soubesse, diria sem problemas."As explicações sobre o uso da verba começaram a ser prestadas pela assessoria de Silvano por volta das 17h10. A suplementação poderá ser usada na aquisição da tecnologia para a transmissão em tempo real, via internet, das audiências e comissões realizadas fora do plenário. A captação das imagens em quatro salões da Casa será feita pela TV Câmara. Dos R$ 17,4 milhões que o Legislativo terá em publicidade, pelo menos R$ 15,5 milhões devem ser gastos para manter a programação diária de 12 horas da emissora, hoje com 60 funcionários. Com a suplementação, será possível fazer um contrato para a compra de novos equipamentos de transmissão. Nos últimos dois anos, a estrutura e as verbas da TV Câmara dobraram. Até setembro de 2008, eram gastos R$ 614 mil mensais com o canal, valor que saltou para R$ 1 milhão. A concessão do canal também saiu da TV Cultura e foi para a USP. A transmissão é feita por canal a cabo dividido com a TV Assembleia. "Não significa que a verba será usada, fizemos só uma reserva", ressaltou Silvano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.