TV exibe suposta entrevista com Marcola

Em entrevista à TV Bandeirantes, o principal líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Camacho, o Marcola, teria confirmado, nesta madrugada, que a facção criminosa é a responsável pelos ataques ocorridos nos últimos dias em São Paulo. Marcola teria falado pelo celular, de dentro da Penitenciária de Presidente Bernardes, ao jornalista Roberto Cabrini. Na entrevista, Marcola culpou o governo do Estado pela atual onda de violência em São Paulo, e negou um suposto acordo para interromper a violência."Se a gente fosse ouvido e atendido dentro da Constituição e dentro da lei, nada disso teria acontecido", disse. Segundo a Bandeirantes, Marcola afirmou ainda que os mais de 100 ataques foram planejados na própria sexta-feira da semana passada, primeiro dia dos atentados praticados no Estado de São Paulo. Segundo ele, a intenção foi a de chamar a atenção da imprensa e da população para a defesa dos direitos dos presos.Questionado sobre a morte de policiais, o líder do PCC teria classificado os assassinatos de oportunistas. Na entrevista à TV, ele disse que não ordenou esses crimes e também descartou ter feito um acordo com o governo de São Paulo para encerrar os ataques. No fim da conversa, admitiu que novas ações poderão ser realizadas."Outras manifestações podem acontecer. A Polícia Militar está matando. Está morrendo família de preso e gente inocente. Qual é a arma da gente? É chamar atenção. É procurar a mídia. Por isso, estou falando com você (Cabrini). Não temos os próximos passos a serem tomados. Estamos esperando retorno em cima disso. Quero respeito, dignidade, senso de humanidade", conclui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.