Letitia Vancon/The New York Times
Letitia Vancon/The New York Times

Uber 'bloqueia' bairros no Recife por risco de violência

Localidades com alto índice de criminalidade deixaram de ser atendidas; motoristas se dizem aliviados enquanto moradores se queixam

Monica Bernardes, Especial para O Estado

24 Abril 2017 | 19h04

RECIFE - Diante do aumento de casos de assaltos e outros tipos de crime contra motoristas do aplicativo Uber, na região metropolitana do Recife, a empresa anunciou nesta segunda-feira, 24, o bloqueio do serviço em algumas áreas da capital e cidades vizinhas. A medida foi vista com surpresa por usuários, mas com alívio por parte de motoristas. 

Nos locais de abrangência do bloqueio, quando um usuário tenta solicitar o serviço, recebe a mensagem de que "a Uber não está operando nesta área". A medida, no entanto, não evita que corridas iniciadas em outros pontos sejam finalizadas em bairros e localidades "bloqueadas". 



Um dos primeiros bairros atingidos pela medida é o de Joana Bezerra, localizado na região central do Recife. Conhecida pelo alto índice de criminalidade, incluindo pontos de venda e consumo de drogas, a localidade é temida não só pelo Uber, mas também por taxistas, motoristas de ônibus e de carros particulares. Segundo informações extraoficiais repassadas por motoristas do aplicativo, pelo menos outros cinco bairros devem receber o bloqueio nos próximos dias.  

"Infelizmente esse problema dos assaltos, com morte de motoristas, tem crescido bastante, especialmente depois que passamos a receber o pagamento em espécie. Nessa modalidade, não há a exigência de identificação do usuário e isso nos deixa muito mais expostos", destacou José Hugo Cordeiro, que trabalha dirigindo pelo aplicativo há 10 meses. 

Usuário da Uber há cerca de um ano, o estudante Raoni Conceição, morador de uma comunidade carente da zona sul do Recife, não gostou da iniciativa. "Eu moro em uma comunidade que não é comumente atendida por táxi e o serviço de ônibus é muito ruim. Dois motoristas me falaram que o serviço vai ser bloqueado lá, assim como já foi na Joana Bezerra. Entendemos a preocupação dos motoristas, mas deveríamos nos unir para cobrar segurança do poder público e não sacrificar uma população inteira, que acaba sendo marginalizada", reclamou. 

O Uber informou que sua missão é “oferecer transporte acessível a todas as pessoas em todos os lugares, ao toque de um botão.” Há alguns locais, destaca a empresa, que o serviço não está disponível por “questões de segurança pública.”

 

Mais conteúdo sobre:
RECIFEUber

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.