Reprodução
Reprodução

Uberaba, em Minas, faz cartilha contra ideologia de gênero

Texto elaborado por vereador evangélico e aprovado na Câmara Municipal traz mensagem considerada machista e homofóbica

Rene Moreira, Especial para o Estado

03 de junho de 2016 | 03h00

UBERABA - Uma cartilha que começou a ser distribuída nas escolas de Uberaba, na região do Triângulo Mineiro, vem causando revolta e acusações de homofobia e machismo. Ela visa a orientar pais e estudantes sobre a proibição das discussões de ideologias de gênero nas escolas, aprovada por emenda à Lei Orgânica do Município.

Com o título Ideologia de Gênero – Entenda o risco que você e seus filhos estavam correndo, o material começou a ser distribuído há poucos dias. Um trecho diz que “como não estão conseguindo mudar a cabeça da população, inventaram novos recursos para nos sabotarem”. E completa: “o mais disfarçado e perigoso é a ideologia de gênero”.

Em outro ponto o material orienta a população. “Pai e mãe, existem organizações muito ocupadas em destruir nossa família. Dizem que o povo é muito fora de moda e precisamos deixar os ensinamentos dos antigos e nos abrirmos às novidades.” Outra página mostra a foto de uma mulher e a frase: “Isso é um absurdo!”, referindo-se à ideia de que ninguém nasce homem ou mulher, como sugeriria a ideologia de gênero.

Para a educadora e mestre em Educação Larissa Martins, uma das primeiras a denunciar o caso na internet, o material vai “contra os direitos humanos e a diversidade de sexo e gênero”. 

A cartilha foi elaborada pelo vereador Samuel Pereira (PR), que é evangélico. À imprensa local, ele disse ter distribuído “cartilhas em locais onde identificou ideologia de gênero”.

A lei foi aprovada em novembro, mesmo com parecer contrário da Comissão de Justiça da Câmara. Na ocasião, religiosos comemoraram a proposta. Para o presidente do Conselho de Pastores de Uberaba, Carlos Wilton, foi uma “vitória da família”. A Igreja Católica também apoiou a iniciativa. Já entidades ligadas aos trabalhadores da educação se colocaram contra. 

Em nota, o Legislativo alega que “a discussão foi democrática, com espaço aberto para exposição de pensamentos de todos os segmentos” e não vê preconceito ou intolerância.

Tudo o que sabemos sobre:
UBERABAIgreja Católica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.