UFRJ prepara estudo sobre traumas em acidentes de trânsito

O Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), está desenvolvendo o primeiro programa de pesquisa de traumas provocados por acidentes de trânsito do País. O objetivo é informar à população, aos engenheiros de tráfego e aos fabricantes de veículos sobre as conseqüências das colisões, para motoristas e pedestres. Os médicos querem também criar o primeiro Instituto de Politraumatizados do Brasil, para melhorar as condições de recuperação dos pacientes.Mestres, doutores e estudantes da Faculdade de Medicina da UFRJ vão estudar os efeitos dos traumas provocados pelos acidentes no corpo humano. Os diferentes tipos de lesões decorrentes dos atropelamentos e das batidas serão estudadas e as informações constarão de um banco de dados. Ex-pacientes serão reexaminados para que a evolução do tratamento seja acompanhada. "Vamos dar cunho universitário ao estudo dos traumas de trânsito, que são responsáveis pela ocupação de 60% dos leitos dos hospitais públicos que têm emergência", disse o ortopedista Marcos Musafir, um dos idealizadores do programa, batizado de Protetran, e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Emergência. Especialistas em engenharia de tráfego da Coordenação de Programas de Pós-Graduação em Engenharia (Coppe) da UFRJ também participarão do estudo. Os médicos querem cobrar dos fabricantes de veículos a intensificação da segurança para os motoristas, como a instalação de air bags em todos os modelos, inclusive os populares - já há uma lei, segundo Musafir, que estabelece a obrigatoriedade para o ano de 2003. O ortopedista quer instalar o Instituto de Politraumatizados do Brasil num anexo do hospital da UFRJ para dar atenção especial às vítimas dos acidentes.O trânsito é a primeira causa de morte de brasileiros entre 4 e 49 anos. São 50 mil óbitos por ano. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada trinta segundos alguém morre no mundo por causa de traumas de trânsito. Os acidentes provocam a morte de 1,3 milhão de pessoas e ferimentos em 34 milhões. As principais causas dos acidentes são a falta do cinto de segurança, o uso de álcool e o desrespeito às leis de trânsito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.