Um ambiente propício para 'comprar' eleitores

O Ministério Público Eleitoral vai intensificar a fiscalização nos municípios atingidos pelas enchentes em Alagoas e Pernambuco para evitar que a catástrofe seja usada por candidatos às eleições deste ano dispostos a comprar votos.

Cenário: Felipe Recondo, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2010 | 00h00

Servidores da Justiça Eleitoral que inspecionaram a área depois das enchentes desconfiaram que políticos da região estariam oferecendo benefícios, como cestas básicas e roupas, em troca de apoio. A suspeita já foi levada ao Ministério Público.

O Código Eleitoral prevê a cassação do registro do candidato e multa para quem for condenado pela captação ilícita de sufrágio ? compra de votos. Para que se caracterize o crime, a lei não exige o pedido explícito de votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.