Um ano após cirurgia, mulher descobre pano em sua barriga

A doméstica Silene Silva de Andrade, de 32 anos, quer processar o Hospital e Maternidade São Francisco, de Jacareí, Vale do Paraíba, por um provável erro médico ocorrido em 23 de dezembro de 2005. Nesta data ela passou por uma cesariana para dar a luz à sua filha. Um ano depois, começou a sentir fortes dores no abdômen e chegou a fazer radiografia e lavagem de intestino. Os procedimentos não foram suficientes para amenizar a dor. No começo de fevereiro, ela expeliu parte de uma compressa cirúrgica do corpo."Quando fui ao banheiro, ao me limpar com o papel higiênico, senti uma ponta e acabei puxando. Saiu parte de um pano e um caldo grosso." No mesmo dia, 1º de fevereiro, a doméstica foi levada para o Hospital Municipal de São José dos Campos, onde teve que passar por uma cirurgia para a retirada completa da compressa. Segundo a jornalista Agnes Pereira, que acompanhou a doméstica ao hospital, os médicos comentaram que ela poderia ter morrido se esperasse mais uma semana."Assim que foi retirado o restante do pano, perceberam que era um caso grave e que corria riscos." O pano esquecido no organismo de Silene provocou problemas no intestino e no útero. "Praticamente apodreceu parte dos órgãos e agora terei que passar por mais uma cirurgia para corrigir o intestino", lamenta.A primeira cirurgia demorou oito horas. Agora recupera-se em casa, onde amarga o incômodo de ter que usar uma bolsa de colostomia, para as necessidades fisiológicas.Ninguém no hospital quis falar com a imprensa. Em nota oficial, a instituição informa que o parto cesárea não teve problema e que a paciente recebeu todos os cuidados necessários e saiu do hospital sem apresentar queixas. O hospital ainda esclareceu que vai investigar o caso, por meio de uma sindicância interna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.