Um ano de lei seca e número de mortos cai 6,9%

SP diz que quantidade de feridos também foi menor entre julho de 2008 e abril deste ano

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 00h00

O governo de São Paulo apresentou ontem um balanço de mortes e acidentes de trânsito após a entrada em vigor da Lei 11.705, a seca - que completa 1 ano no próximo sábado. Os dados apontam queda de 6,9% no número de vítimas fatais entre julho de 2008 e abril de 2009, em relação ao mesmo período entre 2007 e 2008. A quantidade de feridos também apresentou queda, de 23,2%.O governador José Serra atribui o resultado à fiscalização aplicada no Estado e ao investimento em equipamentos, como a compra de 470 bafômetros que começaram a ser usados em junho de 2008. Antes, o Estado de São Paulo possuía somente 158. "Começamos o trabalho com antecedência, trabalhando em um policiamento passo a passo e bem equipado desde 2007, antes da vigência da lei seca", disse Serra, durante um evento no Palácio dos Bandeirantes para a entrega de viaturas para o Programa de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar. ''Só para efeito de comparação, o Ministério da Justiça liberou em quase um ano 900 bafômetros''.Os dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) apontam que houve 3.750 homicídios culposos por acidentes de trânsito no Estado entre julho de 2008 e abril de 2009. No período equivalente, foram 4.029. O mesmo fenômeno foi constatado na capital, que reduziu os números desses casos de 622 para 581 - índice próximo ao do Estado inteiro, 6,5%.Em relação aos feridos (casos de lesões corporais culposas de acidentes de trânsito), o número no Estado passou de 125.765 para 96.589. A redução foi menor na cidade de São Paulo, que teve 21.433 casos após a lei seca, ante 24.602 - 12,8%.Contrariando a percepção de que a fiscalização diminuiu recentemente, principalmente na capital, o governo apresentou dados que apontam um aumento de aproximadamente 20% no número de abordagens nos últimos seis meses de vigência da lei seca, em comparação com o primeiro semestre sob a nova regra. Foram 40.296 no último período ante 33.683 do anterior. Por outro lado, o número de pessoas submetidas ao teste do bafômetro aumentou somente 3,3%, passando de 15.298 para 15.813.DESRESPEITOSe por um lado as mortes e os acidentes vêm sendo reduzidos, os números da SSP comparando os dois períodos de vigência também mostram que aumentou o desrespeito à lei seca, principalmente na capital. A quantidade de pessoas autuadas por dirigirem embriagadas na capital aumentou 50,5%, passando de 892 no primeiro período de vigência da regra para 1.343. A quantidade de pessoas presas em flagrante por crime de trânsito também aumentou na cidade de São Paulo - 17,3% -, passando de 243 nos primeiros seis meses da lei seca para 285.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.