Um chorinho acorda o comerciante. E o bebê é salvo da morte

O choro insistente de um recém-nascido despertou o comerciante Sérgio Ricardo Branger, de 30 anos, que dormia em seu bar na Vila Santo Antonio, periferia de Guapiara, região de Sorocaba, na madrugada de ontem. Como não havia casa vizinha, ele resolveu enfrentar o frio de menos de 8 graus e verificar de onde vinha o chorinho. Em um monte de entulho de construção, nos fundos de um terreno baldio, quase morto de frio, encontrou um bebê envolvido apenas em uma blusa velha. A criança estava com o cordão umbilical ainda sangrando, o que indicava corte recente. Branger envolveu o bebê em uma toalha e correu para o Hospital Municipal, o único da cidade. O menino, ainda sem nome, foi colocado em uma incubadora e, hoje, passava bem.Segundo a pediatra Lúcia Teixeira, o bebê foi alimentado e superou rapidamente o quadro de hipotermia. Se ficasse maisalgumas horas no relento, fatalmente morreria de frio. "Foi só por Deus", afirmou o comerciante, contando que só dormiu no bar naquela noite porque havia perdido a chave e teve medo de deixar o estabelecimento à mercê de ladrões. A notícia do achado levou um grande número de pessoas ao hospital, dispostas a adotar a criança. Mas a polícia já encontrou os pais do bebê. A mãe, a doméstica Rosângela Aparecida dos Santos, passou mal após o parto e acabou sendo internada no mesmo hospital. Eladisse aos médicos que dera à luz naquele local e abandonara a criança porque havia brigado com o companheiro e tinha saído de casa. O pai do bebê também compareceu ao hospital, manifestando interesse de levar o filho para casa. O casal pode responder a inquérito por abandono. A justiça vai decidir se os pais têm condições de ficar com o menino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.