Google Street View
Google Street View

Um dia antes de desabamento no Ceará, Crea foi notificado de que prédio passaria por obras

Na segunda, foi registrada uma Anotação de Responsabilidade Técnica, referente à recuperação de construção e pintura do edifício; não foram divulgados mais detalhes sobre o documento. Prédio em Fortaleza tinha mais de 40 anos

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2019 | 17h09

SÃO PAULO - O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea-CE), Emanuel Mota, afirma que a entidade foi notificada na segunda-feira, 14 - um dia antes do desabamento - sobre obras de manutenção pelas quais passaria o prédio residencial de sete andares que desabou, em Fortaleza, e deixou nove feridos na manhã desta terça-feira, 15.

Em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira, Mota afirma que um engenheiro registrou uma Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) junto ao conselho indicando "recuperação de construção e pintura do edifício". O documento identifica o responsável técnico por obras a serem feitas, como foi o caso do edifício em Fortaleza.

"(Ontem) foi feito um registro de obras, mas não há detalhes sobre o tipo de serviço a ser realizado. (O documento) apenas cita recuperação de construção e pintura do edifício. O profissional assumiu toda a responsabilidade, porque a declaração foi feita de forma genérica e ampla", afirmou Mota, sem divulgar a identidade do engenheiro responsável.

Desta forma, não está descartada a possibilidade de obras estarem acontecendo no prédio. O conselho abrirá um processo para verificar a conduta do profissional responsável. A entidade vai solicitar que ele vá ao Crea-CE. O engenheiro pode ter o registro profissional suspenso e pode ainda vir a responder criminalmente pela tragédia.

Recentemente também foi registrada uma ART de manutenção nos elevadores do edifício. Mas não há mais detalhes sobre o documento.

Mota afirma ainda que o prédio que desabou tinha mais de 40 anos e, por isso, não há registro inicial de construção, pois na época isso não era obrigatório. Uma equipe do Crea-CE foi ao local e realizou uma avaliação inicial do desabamento. Para Mota, ainda é cedo para apontar a causa do desabamento.

"Estive no local e observei que há um grave desgaste da estrutura predial. Fortaleza tem atmosfera agressiva, por causa do mar, o que agrava o potencial de risco das edificações. Sobre explosão de gás, ainda não tive conhecimento. Não dá para detectar ainda", disse o presidente do Crea-CE.

Segundo ele, a perícia irá identificar o responsável pela tragédia. "É preciso aguardar porque ela irá apontar uma série de causas".

O Crea-CE vai encaminhar os dados do prédio às autoridades responsáveis.

O presidente do conselho classifica o desabamento como "tragédia anunciada". "A cidade de Fortaleza está envelhecendo. Foi um tragédia anunciada. Tivemos outros desabamentos. A Prefeitura de Fortaleza deve fiscalizar os prédios antigos e cobrar a efetivação da lei de inspeção predial. Não podemos esperar por mais mortes", disse.

Mota acrescenta que síndicos e também moradores devem ser conscientizados sobre a importância das obras preventivas. "Necessidade de ficar atento às construções e também manutenções. Além de contratar profissionais para construir, é preciso fazer planos de manutenção que são peças fundamentais para diagnosticar a necessidade de obras".

A reportagem aguarda posicionamento da Prefeitura de Fortaleza sobre as declarações do Crea-CE. 

Nas redes sociais, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), lamentou a tragédia e reforçou os trabalhos em busca de vítimas com vida.

"Equipes da Prefeitura e do Governo do Estado, como Defesa Civil, SAMU, AMC, Guarda Municipal, Hospitais Públicos, Corpo de Bombeiros e Polícias Militar e Civil já estão em uma operação conjunta", reforçou a nota.

Pela manhã, o Corpo de Bombeiros havia informado uma morte na tragédia, mas no início da noite, o governo do Ceará afirmou que ainda não havia confirmação de óbitos. Não foi explicado o motivo do desencontro de informações. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Novembro Azul: entenda a campanha de prevenção do câncer de próstata
  • DPVAT: o que é e como funciona o seguro obrigatório?
  • Yuval Harari: “Algoritmos entendem você melhor do que você mesmo se entende”

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.