Um Jango em campanha

Filho de João Goulart tenta vaga na Câmara do DF com o slogan 'política séria tem nome'

Carol Pires, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2010 | 00h00

Quarenta e seis anos depois do golpe militar que destituiu João Goulart da Presidência do Brasil, outro João Goulart, o filho, tenta voltar ao poder. O cargo pretendido, porém, é bem mais modesto do que os que foram ocupados por Jango pai - ministro do Trabalho, vice-presidente e presidente da República. João Vicente Goulart Filho disputa, nesta eleição, uma vaga na Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Filiado ao PDT, partido que ajudou a fundar ao lado do tio, Leonel Brizola, João Filho tem como slogan "política séria tem nome". Em vídeo, ele relata sua história entrelaçada ao passado político do País. Conta ter sido expulso da capital com a família (aos 7 anos), enquanto cenas de conflitos nas ruas ilustram a resistência ao governo militar.

"Lembro quando era criança eu e minha família tivemos que sair dessa cidade para morar no exterior", diz, para, em seguida, alimentar a discussão sobre a real causa da morte do seu pai. "Muitas famílias foram perseguidas, expulsas, outras executadas, como fizeram com meu pai no exílio."

Quando diz isso, reafirma denúncia da família de que Jango, morto em 1976, enquanto cumpria exílio na Argentina, não teria sofrido um ataque cardíaco. Teria sido assassinado por envenenamento, vítima de um complô internacional. Como o corpo foi enterrado sem passar por autopsia, a dúvida nunca foi dirimida. João Filho pediu, em 2008, investigação ao Ministério Público, mas o caso foi arquivado por falta de provas.

Nascido no Rio Grande do Sul, como o pai, João Filho, de 53 anos, foi eleito deputado estadual pelo PDT em 1982. No Rio, foi subsecretário de Agricultura e diretor do Instituto de Terras e Cartografia do Estado. Voltou a Brasília há seis anos para cuidar do instituto que leva o nome do seu pai.

Entre propostas para melhorar o ensino e o transporte público da capital, João tem como meta do eventual mandato a construção do Memorial da Liberdade João Goulart. "Brasília não merecia ter passado seu aniversário de 50 anos afundada em denúncias de corrupção como passou."

Nos cartazes e santinhos, João Goulart Filho aparece ao lado da imagem em preto e branco de Jango, seu cabo eleitoral, de gravata borboleta e faixa presidencial: "Quem fez história, faz o futuro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.