Um Mercedes nas ruas da pobre Guapiara. É da Câmara

Guapiara está numa região tão pobre que ficou conhecida como "ramal da fome". Um automóvel Mercedes Classe A top de linha de quase R$ 48 mil, tem itens como bancos de couro, CD player e ar condicionado rodando em suas ruas já chamaria atenção. Mas, agora, virou assunto de seus 20 mil habitantes: esse é o novo carro oficial da presidência da Câmara, numa cidade que está entre as mais pobres do Estado e a prefeitura tem dificuldade para manter os serviços públicos essenciais."Numa cidade cujos índices de desenvolvimento social estão entre os mais baixos de São Paulo e a maioria da população vive com salário mínimo, pega mal a Câmara manter um carro tão luxuoso", condena o prefeito Virgílio Pássaro (PMDB). O dinheiro usado na compra foi repassado pela prefeitura. "É uma verba de R$ 41 mil mensais prevista em orçamento para a manutenção do Legislativo, mas a sobra deve ser devolvido à prefeitura", disse Pássaro. Ele esperava o retorno do dinheiro para reforçar o estoque de remédios do Hospital Municipal, que atende a população carente. O presidente da Câmara, Guilherme Vermundes Neto (PSB) optou pela compra do veículo porque o antigo carro oficial da presidência, um Siena, acidentou-se. Segundo ele, a transação foi vantajosa para os cofres públicos. "O carro vale mais de R$ 55 mil." Vermundes disse que optou por um veículo com ítens de segurança, como air bag e freio ABS porque as estradas da região são perigosas. Pássaro concorda que a Câmara precisava de um carro, mas condena a opção por um modelo de luxo. Ele conta que, quando assumiu a prefeitura em 2001, ficou tentado a trocar o carro oficial do prefeito, um Pálio Weekend ano 97, mas optou por apenas reformá-lo. "Havia tantas outras prioridades."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.