Uma autuação basta para perda da carteira de motorista

O Detran paulista suspendeu acarteira de habilitação de 10 mil motoristas da capital apesarde eles não terem atingido os 20 pontos, patamar mínimo fixadopelo Código de Trânsito Brasileiro para esse tipo de punição. Deacordo com o diretor de Habilitação do Detran, Antonio CarlosBueno Torres, ao todo 300 mil motoristas do Estado já receberama carta informando da suspensão do documento, metade deles dacapital.No caso de quem tem menos de 20 pontos no prontuário, asuspensão - válida por períodos que podem variar de um mês a umano - ocorre porque a punição para infrações consideradasgravíssimas, normalmente de 7 pontos, pode ser multiplicada portrês nos casos de maior gravidade.Dirigir em velocidades superiores a 20% do limite,trafegar embriagado, ultrapassar bloqueios policiais, participarde rachas e circular sem capacete - no caso de motociclistas -são as principais transgressões que podem levar à suspensão.Além de ter a carteira retida, o motorista é obrigado afreqüentar um curso de reciclagem. A determinação obedece aoestipulado no artigo 218 do código.Depois de receber a notificação da suspensão, o melhor afazer é recorrer. De acordo com o presidente da Aprovesp, JairLeal, há uma grande possibilidade de recursos tanto na esferaadministrativa quanto na judicial. "A suspensão não éautomática e só se efetivará quando o caso transitar em julgado,o que pode levar alguns anos."Rigor - Os motoristas autuados consideram excessivamenterigorosa a punição. Além de irmãos, o taxista Gonçalo Silva, de41 anos, e o microempresário Antonio Silva, de 46, têm em comumo fato de constarem da lista de suspensão das licenças. "Tomeia multa na Radial Leste quando levava uma senhora ao hospital.Os taxistas poderiam ter uma pontuação diferente da demotoristas amadores", disse Gonçalo.O irmão recebeu três multas no caminhão de sua empresa euma no carro particular. "O caminhão era dirigido pelo meusócio. Só resta apelar às autoridades para que não me tirem oveículo de transporte da empresa."O representante comercial Antonio Romeu Amaral tambémteme ter de ficar sem dirigir. "O carro é minha ferramenta detrabalho." O empresário Luiz Augusto Miranda Rosa, por sua vez,critica os marronzinhos. "Nunca vi nenhum deles dar orientaçãoaos motoristas. Só multam."Para o ex-secretário dos Transportes da capital GetúlioHanashiro, as reclamações têm algum fundamento. "O Código deTrânsito cumpriu o seu papel de diminuir as mortes no trânsito.Agora, cabe evitar alguns abusos", afirmou. Na opinião doespecialista, o código deve ser revisto em 2003, quando completacinco anos de vigência. "Defendo que só infrações mais gravesrecebam pontuação no prontuário e punição em dinheiro para asmais simples."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.