Uma fábrica de bolas no presídio para fornecer a escolas

Uma fábrica de bolas, que faz parte do projeto "Pintando a Liberdade", foi inaugurada hoje nas dependências do presídio São Leonardo, na periferia de Maceió. Depois da inauguração da fábrica, o ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz e o governador Ronaldo Lessa (PSB) foram distribuir o material esportivo em uma das escola da rede de ensino público do Estado. Ao todo, 120 escolas públicas estaduais serão abastecidas com bolas fabricadas pelos presos. Cada escola receberá 23 bolas de futebol, handebol, vôlei, futsal e basquete. O ministro disse que o projeto é interessante porque, além de ajudar na ressocialização dos presos, entrega às escolas material suficiente para o desenvolvimento de várias atividades esportivas. "O preso que trabalha na fábrica ganha uma ajuda de custo e ainda reduz a sua permanência no presídio, porque para cada três dias trabalhado, o detento ganha um dia a menos na pena", explica Agnelo. Segundo ele, o material produzido na fábrica não pode ser comercializado: é destinado gratuitamente às escolas do Estado. Além das bolas, a fábrica irá produzir outros materiais esportivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.