Uma parte da população de rua do Rio terá abrigo: os gatos

O Rio é uma cidade dominada por problemas de várias ordens. Mas a prefeitura resolveu resolver pelo menos um. Preocupada com a população felina de rua, começou a instalar abrigos para os gatos nas praças da cidade. Os gatis são formados por três tubos de concreto com 40 centímetro de diâmetro e servem para os bichanos se protegerem do mau tempo. Eles podem entrar e sair sempre que quiserem.Os abrigos fazem parte do programa da prefeitura para controle dos animais urbanos, que inclui ainda a esterilização dos bichos ? desde 2001, 17 mil cães e gatos foram esterilizados. ?No Rio de Janeiro, o extermínio dos animais abandonados é proibido. Nós acolhemos, esterilizamos os bichos e incentivamos a posse responsável dos donos?, diz a secretária municipal de Defesa dos Animais, Maria Lúcia Frota.Os primeiros abrigos foram instalados na praça Jardim do Méier, bairro da zona norte, onde vivem cerca de 80 gatos. A dona de casa Carla Xavier Mendes, de 27 anos, que costuma alimentar os animais, com a ajuda das filhas Camila, de 8 anos, e Luísa, de 6, aprovou os gatis.?Eles ficavam muito expostos à chuva, ventania. Agora pelo menos têm onde se proteger?. Preocupado com a temperatura baixa do fim de semana, moradores da vizinhança da praça colocaram jornais nos abrigos para aquecer os animais. Mas houve também quem criticasse os gatis. ?Abrigo para gato é bom, mas a prefeitura devia construir abrigo também para criança, velho, morador de rua?, disse a balconista Francisca Ferreira da Silva, de 46 anos, que freqüenta o jardim durante o almoço. Aos críticos, a secretária lembra que cuidar dos animais abandonados é também um trabalho de saúde pública, que evita a transmissão de doenças.A idéia da secretária é instalar gatis em outras praças. O próximo ponto deve ser o Campo de Santana, no centro do Rio, onde vivem cerca de 150 gatos. Como o local é tombado pelo Estado, é necessário que o projeto seja aprovado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural (Inepac).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.