Uma poda muito necessária

Carta 19.558O sr. Peter Book Klugling entrou com pedido, na Sub Sto. Amaro, de remoção de alguns pinheiros de 20/25m de altura, nos fundos de sua casa, cuja queda danificaria a minha, pois somos vizinhos de fundo. O muro que divide os terrenos está com grandes rachaduras. A quantidade de galhos e folhas sobre o telhado impede o escoamento da água de chuva, causando infiltrações. Técnicos da subprefeitura visitaram o local e avaliaram a situação superficialmente, prometendo enviar outro técnico para um laudo definitivo. Na primeira avaliação acharam não haver necessidade de corte ou poda das árvores - um absurdo, tendo em vista o risco iminente de acidente. Até hoje (carta de 29/2) não recebi uma posição definitiva e documentada sobre o pedido. Estamos assustados, o sr. Peter e eu, principalmente em dias de chuva com raios e vento. Árvores são importantes para uma cidade como a nossa, mas não quando ameaçam nossa integridade física. Por isso, precisamos da autorização urgente para a poda.OSCAR S. NOGUCHIJardim dos EstadosA Sub Sto. Amaro responde:"O pedido feito pelo sr. Peter precisou ser encaminhado à Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, para autorização, tendo em vista tratar-se de área de preservação ambiental. Ele retornou ontem (carta de 4/3), quando o encaminhamos para publicação no Diário Oficial, sendo que na 6.ª feira, dia 7, a autorização já estava à disposição para ser retirada."NIVALDO PRADO GONÇALVESSupervisor técnico de Limpeza Pública da Subprefeitura de Santo AmaroCarta 19.559 Perigo e devastaçãoInformei, pelo 156, uma situação que pode causar um acidente: na Rua S. Benedito, alt. 312, há um tronco de árvore cuja folhagem excessiva, invadiu o meio da rua. Quando os ônibus passam, é preciso atenção redobrada para que não batam o retrovisor no tronco ou não colidam com os carros, ao se desviar. Até hoje (carta 29/2) não tive resposta ao pedido de poda, e temos de conviver com o descaso da Prefeitura em podar uma árvore dentro da via pública. Onde vamos parar?YARA TELES do NASCIMENTOCapitalA subprefeitura responde:"Já há uma Ordem de Serviço para esse trabalho, mas como a rua é de muito movimento, a CET só permitiu fazermos a remoção no sábado 15, quando a rua será interditada."A leitora informa que não fizeram nada. Está havendo uma grande devastação em uma área com árvores nativas na Rua Visconde de Porto Seguro, região do Alto da Boa Vista. As árvores são centenárias e é lamentável ver sua destruição. Em conversa com uma funcionária da Secretaria do Verde, fui informada de que a devastação foi autorizada pela Secretaria do Verde, mediante uma ?compensação ambiental? da Construtora Inpar. Como fica a ?compensação ambiental? na área verde que está sendo devastada?URSULA HAUPTSanto AmaroA Secretaria do Verde e Meio Ambiente responde:"Na área citada pela leitora foi firmado um termo de compromisso ambiental para a implantação de um grande empreendimento imobiliário. Por essa razão, todo o manejo da vegetação foi orientado e está sendo fiscalizado por esta secretaria. Os compromissos ambientais, previstos em legislação e assumidos pelo empreendedor, são: remoção de 316 exemplares arbóreos, sendo que 28 deles já estavam mortos, e transplante de 203 árvores dentro do próprio imóvel. Entrega programada em etapas de 33.314 mudas, com seus respectivos protetores, ao Viveiro Manequinho Lopes , como medida compensatória. Já foram entregues aproximadamente 8 mil mudas. Transferência para o município de área de 192 mil m² na região de M?Boi Mirim para implantação de um parque - já em andamento. Entrega ao município de 23 mil m², por força da Lei de Parcelamento do Solo, que, integrados à área pública já existente de 23 mil m², totalizarão 46 mil m², para implantação do Parque Alto da Boa Vista, em andamento. O projeto do Parque Alto da Boa Vista está sendo elaborado de acordo com as diretrizes do pelo Departamento de Parques e Áreas Verdes desta secretaria."A leitora comenta: É profundamente lamentável que a natureza de área tão preciosa seja agredida em prol de mais um empreendimento imobiliário. Já temos empreendimentos suficientes na cidade de São Paulo - a maioria até ociosos, ou por falta de compradores ou devido à inadimplência de muitos dos que os adquiriram. Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.