Uma política rígida demais

Carta 19.867 Sou cadeirante e moro no Rio. Estive aqui em férias com a família e, em visita ao Mercado Municipal, um guarda da CET mandou tirar o carro da vaga de deficientes por não ter o cartão de portador de deficiência. Expliquei que não o tenho por não morar aqui, mas, como cadeirante e condutor do carro, não poderia ir para outra vaga porque ninguém que estava comigo dirigia, mas não adiantou e desisti do passeio. O acolhimento ao turista na cidade não deveria ser de respeito a quem não precisa de cuidados especiais. Não sou contra a cobrança, forma de quem precisa não ficar sem vaga, mas a lei federal e a Constituição não podem ser atropeladas por uma lei municipal. Por que não dar autonomia ao fiscal nos casos em que o condutor é deficiente mas não tem cartão? Que ele anote os dados do carro, mas não o multe nem impeça de estacionar. GERSON GILSON GOMES Campo Grande/RJ A CET responde: "A regulamentação do estacionamento para pessoas deficientes é determinada pelo DSV. A necessidade do cartão Defis é prevista por lei e ratificada pela Comissão Permanente de Acessibilidade, que regula as questões ref. a deficientes e determina a obrigatoriedade do cartão nas vagas de estacionamento rotativo, para impedir uso indevido. O cartão é pedido nas Autorizações Especiais do DSV, Rua do Sumidouro 740, com isenção para o rodízio municipal. Infos: (011) 3812-3281." O leitor comenta que em muitas cidades, quando a placa é de outro estado, a falta do cartão é tolerada. A CPA de São Paulo já devia ter-se pronunciado contra essa lei. Carta 19.868 A CET responde Em ref. à carta de Luís Ruiz da Silva (publicada no dia 28/7), a CET informa que, atendendo ao seu pedido, para os cruzamentos da Rua Tibúrcio de Souza com as Ruas Margarida C. de Albuquerque e Manuel Rodrigues Sampaio, foi elaborado um projeto que prevê semáforos e sinalização horizontal e vertical, a ser executado segundo a ordem do nosso cronograma. Além dos semáforos para carros e para pedestres, haverá pintura de uma faixa dupla amarela e de faixas para a travessia de pedestres e de retenção. O comportamento de alguns motoclistas é revoltante: recentemente, todas as vagas para deficientes numa agência bancária da Av. Indianópolis estavam ocupadas por motos; e vi motos estacionadas na zona azul da Luís Góes. Alertados da proibição de estacionar, os donos das motos riram. Qual é a punição para motoqueiros que socam vidros, chutam paralamas e ameaçam os motoristas? É injusto quem anda de carro ter de pagar zona azul e quem está de moto, não. RUDOLF OTTO LOIBL Planalto Paulista A CET responde: "O estacionamento de motos na zona azul é regulamentado conforme a demanda do local. Quando há forte procura por estacionamento, proibimos a parada de motocicletas em vagas de zona azul e criamos bolsões exclusivos para as motos. Vamos avaliar a demanda na Rua Luís Góes, para tomar providências. Questões comportamentais de motociclistas não são de nossa responsabilidade. No entanto, preocupados em promover uma melhor educação de trânsito entre os usuários do sistema viário, incluindo-se aí os motofretistas, temos um curso para a categoria, dentro do programa de Educação e Segurança no tráfego." Já pedi várias vezes, ao jornal, pelo site do SAC da Prefeitura e pelo telefone 156, a repintura das faixas para pedestres no cruzamento da Rua Artur de Azevedo com a Rua Lisboa, em Pinheiros, destruídas no último e já velho asfaltamento. O local é perigoso. Via Estadão, recebi e-mail da Prefeitura informando que o serviço seria feito - mas meses se passaram e nada aconteceu. Por isso, de novo peço a colaboração desta coluna. (carta de 5/6). ALFREDO FERNANDES Pinheiros A CET responde: "O projeto recebeu nova programação e está previsto para ser feito na 1.ª dezena de agosto." O leitor informou, em 31/7, que na madrugada do dia 29 a CET refez a pintura da faixa - mas no dia seguinte uma empresa representando a Comgás quebrou o asfalto e terão de repintar a faixa. Passo sempre pela esquina da Rua Lisboa com a Artur Azevedo, e finalmente a faixa de pedestres foi repintada em 29/6. Não sei se a faixa pedida por d. Mieko (Pedido de sinalização, 30/7) para o cruzamento da Pedroso de Moraes com Faria Lima já foi pintada. HELMUT WENK Jardim das Bandeiras Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadao de S.Paulo

15 Agosto 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.