Umidade relativa do ar tem mínima recorde

Índice em SP chegou a 10% às 15h, o menor desde setembro de 1981

Fabiana Marchezi e Priscila Trindade, O Estadao de S.Paulo

15 Agosto 2009 | 00h00

A capital paulista registrou ontem o recorde histórico de baixa umidade relativa do ar. Segundo a estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no Mirante de Santana, na zona norte de São Paulo, a umidade relativa atingiu 10% às 15 horas, o que segundo a Organização Mundial de Saúde é considerado estado de emergência. O índice supera o registrado em 10 de setembro de 1981, quando a cidade chegou a 13% de umidade relativa. Em situações de tempo seco a população deve ingerir líquido com frequência. De acordo com especialistas, o ideal é tomar seis copos de água por dia. Já as atividades ao ar livre - em parques públicos ou nas calçadas - devem ser interrompidas entre 10 e 16 horas. Outra recomendação é evitar lugares fechados com aglomerações, como cinemas e teatros. "Eu recomendo pingar o soro no nariz de três a seis vezes ao dia. Quem fica parado dentro do carro no trânsito, por exemplo, não pode deixar de usar", diz a otorrino do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André, Mônica Simons Guerra. As refeições também devem ser leves de dia e à noite. "As pessoas precisam evitar alimentos gordurosos e frituras em excesso. O melhor é trocar o óleo por salada e frutas", aconselha. Para o fim de semana, a previsão é de que o tempo seco e o sol forte continuem em todo Estado de São Paulo. De acordo com o Climatempo, não há expectativa de chuva em nenhuma região paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.