Unesco sugere autorregulação da mídia

Estudos encomendados pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) a três dos principais especialistas em comunicação no mundo concluíram que uma regulação da radiodifusão tem de fortalecer a liberdade de expressão, sustentáculo de todos os outros direitos. Os mesmos estudos sugeriram que os meios de comunicação devem se autorregular, através de uma agência independente, e não serem submetidos a controle governamental.

João Domingos / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2011 | 00h00

No fim de 2010, o então ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, chegou a esboçar um anteprojeto de lei com a regulação dos meios de comunicação, mas ficaram dúvidas quanto à possibilidade de haver controle de conteúdo da mídia.

No mês passado, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que pedirá novos estudos sobre o projeto antes de colocá-lo em consulta pública. E justificou: "Há grandes chances de haver uma besteira no projeto, o que poria tudo a perder".

Os estudos encomendados pela Unesco para o Brasil não abordaram, porém, a questão das telecomunicações - hoje em clara disputa com as empresas de radiodifusão pelo mercado de comunicação eletrônica - e fizeram curta menção à internet. Os autores levantaram a regulação da mídia em dez países, para efeito de comparação: África do Sul, Alemanha, Canadá, Chile, Estados Unidos, França, Jamaica, Malásia, Reino Unido e Tailândia.

Para defender a tese de que a liberdade de expressão é o sustentáculo dos demais direitos, os autores citaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU, legislações dos países citados e as Convenções de Direitos Humanos Europeia, Americana e Africana. Todas reforçam a ideia de que o direito à informação é fundamental.

A Associação Brasileira das Empresas de Radiodifusão (Abert) não quis se manifestar sobre os estudos feitos por encomenda da Unesco. O jornalista Ricardo Pedreira, diretor executivo da Associação Nacional dos Jornais (ANJ), lembrou que o trabalho restringiu-se ao rádio e à televisão. "Não é o caso dos jornais e da mídia impressa em geral, que, nos termos da Constituição, não devem ser submetidos a qualquer regulamentação governamental."

De toda forma, insistiu, a posição da entidade é contrária a qualquer controle prévio sobre conteúdo jornalístico, independentemente da plataforma. "A ANJ defende a autorregulamentação como o melhor caminho para uma atuação responsável dos meios de comunicação."

Os autores do estudo são Toby Mendel, diretor executivo do Centro de Direito e Democracia; Eve Salomon, da Comissão de Queixas da Imprensa e presidente da Fundação para Vigilância da Internet no Reino Unido; e Andrew Puddephatt, presidente da International Media Support, com sede na Dinamarca, além de membro do conselho consultivo do Conselho Europeu de Relações Exteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.