Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

União doa R$ 1,3 milhão em equipamentos e móveis para casa da mulher de SP

Doação foi formalizada no Diário Oficial da União após 'Estado' revelar que programa, criado para oferecer atendimento integrado às vítimas de violência, não recebeu nenhum centavo em 2019

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 12h57

BRASÍLIA - A União Federal doou R$ 1,3 milhão em equipamentos de informática e mobiliários ao município de São Paulo para uso na Casa da Mulher Brasileira de São Paulo. A divulgação da doação está formalizada no Diário Oficial da União (DOU) e se dá logo depois de o Estado revelar que houve redução drástica nos recursos do governo federal para a área entre 2015 e 2019 e que o Programa Casa da Mulher Brasileira, criado para oferecer atendimento integrado às vítimas de violência, ficou sem receber um centavo em 2019.

De acordo com o extrato, a doação total é no valor de R$ 1.308.286,28 e foi feita pela União, por meio da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela ministra Damares Alves. Do lado da capital paulista, o material foi recebido pela Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania do município.

Hoje mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que não pretende reforçar o orçamento para o combate à violência contra a mulher. Para ele, a área não depende de dinheiro, e sim de "postura", "mudança de comportamento" e "conscientização".

"A Damares está sendo 10 nesta questão, não é dinheiro, recurso. É postura, mudança de comportamento que temos que ter no Brasil, é conscientização", disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada nesta quarta-feira.

O levantamento feito pelo Broadcast mostrou que, entre 2015 e 2019, o orçamento da Secretaria da Mulher foi reduzido de R$ 119 milhões para R$ 5,3 milhões. Também no mesmo período, os pagamentos para atendimento às mulheres em situação de violência recuaram de R$ 34,7 milhões para apenas R$ 194,7 mil.

No Brasil, uma mulher é agredida a cada quatro minutos, segundo dados do Ministério da Saúde. De acordo com pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), a maior parte da violência que ocorre no Brasil é praticada por conhecidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.