Unicamp tem melhor desempenho entre estaduais

Das três universidades estaduais de São Paulo, a Unicamp foi a que conseguiu maior número de conceitos A no Exame Nacional de Cursos de 2001 em relação ao total de carreiras avaliadas. Foram 12 em 13 cursos.A USP teve 36 cursos avaliados. Mais de metade (60%) ficou com A. Já a Unesp ficou um pouco abaixo: dos 46 cursos avaliados, 47% (22) ficaram com A.Esses dados constam do relatório oficial do exame, que será divulgado oficialmente pelo Ministério da Educação na próxima semana. Mas desde esta quinta-feira podem ser consultados na internet pelas instituições.O Provão foi criado em 1996 para medir, por meio do desempenho dos alunos que estão concluindo a graduação, a qualidade do ensino superior. A cada ano, o número de cursos verificados está aumentando. Em 2001, foram avaliadas 20 carreiras.No caso da Unicamp, a única exceção em termos de desempenho foi o curso de pedagogia, que devido ao boicote dos alunos, acabou ficando com E - o pior conceito do Provão. Esse problema se repetiu nas outras duas universidades, interferindo no seu desempenho global.A Unesp teve 7 conceitos E, dos quais pelo menos 6 podem ser atribuídos a boicote, pois o número de alunos que respondeu a prova é pequeno. A USP também teve 7 conceitos E, dos quais 6 também foram pelo boicote.O boicote tem sido comum nas áreas de jornalismo, psicologia e pedagogia. É um protesto contra a avaliação, considerada insuficiente para medir a qualidade dos cursos de graduação, na opinião dos estudantes.Além dos conceitos A e E, a USP recebeu 3 B, 3 C e nenhum D. A Unesp recebeu 13 B, 4 C e nenhum D.Este ano, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pelo exame, vai mudar a classificação dos cursos de cada área.Antes, havia uma proporção fixa dos cursos por conceito. Os 12% melhores recebiam A, os 18% seguintes B, os 40% a seguir com C, os 18% posteriores com D e os 12% últimos com E. Agora, eles serão distribuídos em uma escala conforme a média da carreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.