Universidade do Ceará vai rever segurança no campus

A Universidade Federal do Ceará (UFC) vai reavaliar seu sistema de seguranca. A medida foi anunciada nesta quarta-feira em conseqüência da morte do aluno Jose Francisco Pinto Soares, de 40 anos, durante tentativa de assalto, nesta terça à noite, no prédio do Mestrado em Economia (Caen), no campus do Benfica.O crime aconteceu numa sala de aula do primeiro andar. Eram sete e meia da noite. De acordo com testemunhas, três homens armados entraram na sala e anunciaram assalto dando dois tiros para o ar. Na sala, havia 36 pessoas. Uma delas era o perito da Polícia Federal José Francisco Pinto Soares, aluno do curso.Depois dos disparos, o perito reagiu também atirando, mas foi atingido na cabeça por um dos bandidos. Mesmo ferido, ele conseguiu balear um dos assaltantes, que morreu ao receber socorro médico, no Instituto Dr. José Frota.Francisco Soares também não resistiu à gravidade do ferimento e morreu ainda na sala de aula.A Polícia Militar fez buscas nas proximidades da universidade, encontrou duas armas econseguiu prender o paraense Antônio Luís Silva dos Santos. O suspeito foi autuadoem flagrante na sede da Polícia Federal, que assumiu as investigações do caso por setratar de crime ocorrido dentro de uma instituicao federal.De acordo com o reitor da UFC, Roberto Claudio Frota Bezerra, um grupo de trabalhofoi criado para apresentar sugestões de redirecionamento do modelo de segurança dainstituição. Formado por dois servidores técnico-administrativos da UFC, dois representantes do Sindicato dos Servidores e estudantes, o grupo terá um mês para elaborar e apresentar propostas.Antes disso, informa o reitor, deverão ser adotadas medidas emergenciais de segurança. "Provavelmente deverá haver reforços de vigilância em determinados pontosda universidade", disse Roberto Claudio.A violência vivida no campus da UFC chocou a comunidade universitária. Nesta quinta-feira, estudantes farão uma caminhada em conjunto com servidores e professores da instituicao, da Avenida da Universidade até a Praça da Bandeira, no centro de Fortaleza, pedindo paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.