Universidade protesta contra falta de segurança no Rio

Cerca de 200 alunos e funcionários da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fizeram ontem um protesto por mais segurança no campus do Fundão, na Ilha do Governador (zona norte do Rio). ?Estágio imperdível: salário de quase R$1.000 para te roubarem tudo no estacionamento?, dizia um cartaz colado numa pilastra por estudantes vestidos de preto. Para os manifestantes, a sensação era a de que seqüestros-relâmpago, estupros, encontros de cadáveres e assaltos à mãoarmada poderiam acontecer, em plena luz do dia, com qualquer uma das cerca de 60 mil pessoas, que circulam diariamente pelo maior dos campi da universidade. Numa área de 4,5 milhões de metros quadrados apenas 48 vigilantes a pé fazem a ronda nas ruas, apoiados por dois carros da PM.No último mês, pelo menos sete alunos foram vítima de seqüestros- relâmpago, em dois casos, os assaltantes agiram do mesmo modo. Há três semanas, o estudante do 7º período de engenharia Vinícius Mendes e três amigos foram seqüestrados no estacionamento do Centro Tecnológico. Por volta das 14h, eles pegavam o carro para irem almoçar, quando foram abordados por dois homens armados, que estavam escondidos num outro carro. ?Achamos que era só um assalto, mas nos mandaram entrar no carro e ficar de cabeça baixa, achamos que eles iam nosmatar, era uma sensação de impotência total?, contou Mendes. O grupo foi libertado na Avenida Brasil, na altura de Bonsucesso (zona norte). Além do Golf, tiveram que entregar sapatos, mochilas e documentos. Pelo menos três alunas de letras foram roubadas da mesma forma, há uma semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.