Universitários são presos com lança-perfume

O produto era vendido como "aromatizador de ambientes" e vinha sendo usado por freqüentadores de festas e danceterias dos bares dos Jardins e da Vila Madalena, nas regiões central e oeste, respectivamente, da cidade de São Paulo. Mas oconteúdo dos frascos era lança-perfume.Uma denúncia feita por telefone aos investigadores do Departamento de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc) levou à identificação dos responsáveis pela venda e à apreensão de 72unidades da marca Universitário, fabricada na Argentina.A droga foi apreendida com os universitários Jefferson Ferreira Martins, de 20 anos, e Rodrigo Feliciano Branco, de 23, na noite desta terça-feira, num posto de gasolina da Avenida dosBandeirantes, no Itaim-Bibi, zona sul da capital paulista.Martins é estudante de Educação Física e trabalha como personal trainner em uma academia de ginástica muito conhecida de São Paulo. Branco cursa Análise de Sistemas.Os investigadores souberam que os dois vendiam por mês cerca de cem frascos da droga e cobravam R$ 45 por unidade. Depois de identificar os universitários, os policiais fizeram contato e seapresentaram como estudantes do interior.Disseram que estavam interessados em comprar lança-perfume para revender em suacidade. Os 72 frascos foram oferecidos aos policiais por R$ 1.680. O local marcado para a entrega foi o posto Petrosul da Avenida dosBandeirantes, perto da entrada da loja de conveniências.Às 20h30, Martins chegou dirigindo um Gol. Conversou com os policiais, acertou o preço e, pelo celular, mandou que Branco fosse ao posto de gasolina. Branco chegou num Kadett e tirou asduas caixas de lança-perfume do porta-malas. Assim que foi feita a entrega e o dinheiro recebido, os universitários foram presos,levados para o Denarc e autuados pelo delegado Carlos de Andrade.Na casa de Branco, no bairro do Jabaquara, os policiais, com mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça, apreenderam dois revólveres calibre 38 e 32 carregados emunição. Os dois foram enquadrados por tráfico. "O lança-perfume causa dependência física e provoca alucinações, desmaios e taquicardia no consumidor", disse Andrade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.