Lucas Landau/Reuters
Lucas Landau/Reuters

UPP do Morro Pavão-Pavãozinho é danificada durante protesto no Rio

Perícia constatou que toldo foi destruído; próximo à unidade ainda há carros quebrados

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2014 | 11h56

RIO - A Polícia Civil realizou no início da manhã desta quarta-feira, 23, uma perícia na sede da Unidade de Polícia Pacificadora do Morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, zona sul do Rio, que foi atacada na terça à noite por manifestantes revoltados com a morte do morador Douglas Rafael da Silva, de 26 anos. Ele era dançarino do programa "Esquenta" da TV Globo.

O prédio da UPP não tem janelas danificadas, mas o toldo foi destruído durante o protesto. Próximo à UPP, ainda há três carros danificados. Dois tiveram vidros quebrados por tiros e um foi completamente incendiado.

"Trabalho como camelô e uso meu carro para guardar mercadorias. O vidro traseiro foi perfurado por uma bala disparada pela polícia. Eu estava aqui na hora e vi tudo. Não tinha traficante nenhum na rua", disse o dono de um Gol, que não quis se identificar.

Na parte alta da favela, ainda há muito entulho, usado como barricada durante a manifestação, espalhado pelas ruas. Algumas caçambas de lixo da Companhia Municipal de Limpeza Urbana foram incendiadas. Não há mais fogo, mas ainda sai fumaça delas. Na Estrada do Cantagalo, uma caçamba ainda está no meio da rua atrapalhando o tráfego de veículos até a parte mais alta.

PMs do Batalhão de Operações Especiais e do Batalhão de Choque continuam reforçando o patrulhamento na favela, que possui uma UPP desde dezembro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.