Usina de compostagem da Vila Leopoldina vai ser desativada

Os moradores da região da Vila Leopoldina podem começar a comemorar. Depois de 12 anos de reclamações, a Prefeitura de São Paulo dará início no próximo dia 31 de agosto ao processo de desativação da Usina de Compostagem da Vila Leopoldina, com o encerramento das visitações a suas instalações. A decisão foi tomada pela Limpurb, departamento da Secretaria de Serviços e Obras (SSO), e faz parte das medidas tomadas para fechar a usina. As visitações eram feitas principalmente por escolas. Segundo a SSO, o efetivo encerramento das atividades da usina está previsto para a primeira quinzena de setembro, quando a Secretaria oficializará a entrega da área onde ela está localizada - 54 mil metros quadrados - para a Secretaria do Verde e Meio Ambiente para que seja transformada em parque. Moradores da região, representados pelo Movimento Popular da Vila Leopoldina, vinham pedindo há pelo menos 12 anos o fechamento da usina. A principal reclamação era o mau cheiro causado pelo processo de compostagem, que é a transformação do lixo orgânico em adubo. Em abril do ano passado, o Movimento encaminhou à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) um abaixo-assinado com mais de 6 mil assinaturas solicitando o fechamento da usina. O processo de desativação foi acertado em maio deste ano por meio de um acordo com a prefeitura - intermediado pelo secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, José Goldemberg - para o encerramento das atividades até setembro. A Usina de Compostagem de lixo da Vila Leopoldina foi fundada em 1974, tem 140 funcionários terceirizados e 500 indiretos. Está localizada numa região de intensa especulação imobiliária, próximo à Vila Hamburguesa, onde o espaço para a construção de novos conjuntos de edifícios residenciais está se tornando escasso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.