Usinas de Angra operam normalmente

As usinas Angra 1 e 2 operam normalmente apesar das chuvas que atingem o município de Angra dos Reis desde a madrugada de segunda-feira. Até agora, a Defesa Civil já confirmou a morte de 36 pessoas. A Eletronuclear, estatal que opera as usinas, divulgou nota esclarecendo que operou em estado de alerta desde a manhã de ontem até que a BR-101 (trecho Rio-Santos) fosse liberada. A estatal disse que não achou necessário interromper as atividades das usinas, alegando que havia outra rota de escape pela RJ-155 (Lídice-Barra Mansa).Ontem, o prefeito de Angra dos Reis, Fernando Jordão, pediu a interrupção dos trabalhos nas usinas, depois que deslizamentos de barreiras interditaram a BR-101 em vários pontos. O prefeito alegou que o plano de fuga de moradores em caso de acidente nuclear estava comprometido. Segundo a assessoria de imprensa da estatal, a Comissão Nacional de Energia Nuclear poderia determinar a interdição das usinas somente se todos os acessos à cidade estivessem interditados.Prefeito de Cabo Frio promete indenizaçãoOitenta pessoas permanecem desalojadas em Cabo Frio, na Região dos Lagos, por conta das chuvas que atingiram a cidade no domingo e na segunda-feira. O prefeito Alair Corrêa (PSDB) informou que vai indenizar os moradores que tiveram prejuízo e vivem nos locais em que a enchente ocorreu por culpa de alguma obra da prefeitura.Corrêa estuda ainda processar a concessionária de água Pró-Lagos, que, segundo a prefeitura, danificou a rede de drenagem da cidade ao construir o sistema de esgoto, provocando o alagamento dos bairros centrais. A concessionária não se manifestou sobre a acusação da prefeitura. Hoje, choveu pouco na cidade, mas os bairros Caminho de Búzios, Parque Burle e Tangará continuavam inundados.Municípios do Rio em estado de alertaNo Rio, a Defesa Civil Municipal registrou 83 chamados de socorro em 24 horas, mas nenhum considerado grave. A região mais atingida foi a zona norte. Um deslizamento de terra no Morro do Borel, no bairro da Tijuca, provocou a interdição de duas casas, construídas próximas à encosta. No Rio Comprido, um muro que dividia duas casas caiu. Ninguém ficou ferido. Em Cavalcante, houve queda de barreira numa pedreira abandonada.De acordo com o Relações Públicas da Defesa Civil, coronel Jorge Lopes, foram registradas ocorrências leves nas cidades serranas de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis. Os três municípios estão em estado de alerta. Em Petrópolis, uma família foi desalojada depois que houve um pequeno deslizamento próximo à casa. Os bairros mais atingidos foram Alto da Independência e Quitandinha. Ao todo, foram 30 chamados de socorro para a Defesa Civil.Em Santa Maria Madalena, no norte fluminense, local em que foi registrado o maior índice pluviométrico do Estado na madrugada de ontem (155,2 milímetros) a situação permaneceu tranqüila. ?A cidade suportou bem a chuva?, afirmou Lopes.Leia também:» Desmoronamento mata uma família inteira » Chuva vem causando tragédias no RJ

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.