Usineiros morrem em queda de avião

Os empresários Henrique do Amaral Mesquita, 45 anos, Luís Roberto Caldeira Neves, 40 anos, Paulo Roberto Stefani, 40 anos, e o piloto Antônio Carlos Otoni de Miranda, 49 anos, morreram na na queda de um monomotor Carioca, fabricado pela Embraer. A aeronave decolaria do aeroporto particular da Fazenda São José, em Tapiratiba, há 290 Km de São Paulo, quando acabou se acidentando na cabeceira do aeroporto e explodiu.Os passageiros eram proprietário da Usina Itaiquara, a maior fabricante de fermento do País, que também produz álcool e açúcar. De acordo com informações do Fazenda, eles fariam uma curta viagem de negócios até a cidade mineira de Passos, onde a Itaiquara tem uma filial. O avião, de prefixo PTNMD, de acordo com Pedro Dionísio, presidente do Aeroclube de Guaxupé,estava em bom estado. ?Houve uma pane na decolagem. O piloto tentou abortar, não conseguiu parar na pista e o aparelho caiu na cabeceira?, explicou Dionísio.Segundo ele, o atrito do monomotor com o solo causou o incêndio, visto que os tanques deste tipo de aparelho ficam nas asas. A Polícia Civil de Tapiratiba passou a tarde fazendo o levantamento do local. O avião era de propriedade de Olavo Barbosa, dono da Fazenda São José e patrão do piloto, que há anos trabalhava para o empresário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.