Valdebran e Gedimar depõem; Darci e ex-assessor podem ser presos

Gedimar Passos e Valdebran Padilha depõem desde a manhã desta terça na PF de Cuiabá. Em separado, eles falam sobre as acusações de tentativa de compra do dossiê que evolveria o candidato tucano à Presidência, José Serra, com a máfia dos sanguessugas. O produrador da República responsável pelo caso, Mario Lúcio Avelar, também decretou a prisão de Luiz Antonio e Darci Vedoin, que estavam em liberdade por colaborarem nas investigações da CPI. Além disso, o procurador ainda encaminhou à justiça pedido de prisão do ex-assessor presidencial Freud Godoy, acusado de intermediar a compra dos documentos.Segundo Avelar, ainda não está confirmada a acareação entre os depoentes Gedimar Passos e Valdebran Padilha desta terça com Luiz Antonio Vedoin e Paulo Roberto Trevisan. O advogado do Valdebran, Luiz Lourenço, alegou que seu cliente não conhece Freud Godoy. Segundo o advogado, os contatos com Freud eram feitos por Gedimar. Luiz Lourenço disse que o Gedimar fez o contato informando que o dinheiro seria uma ajuda para o Luiz Antonio Vedoin, que vinha passando dificuldade e privações por que estavam com os bens bloqueados. O advogado não revelou de onde veio o dinheiro.O advogado do Gedimar, Cristiano Maronna, também estava nas dependências da PF, mas não se manifestou até o final da manhã.Avelar encaminhou à justiça do Mato Grosso seu pedido de prisão de Freud Godoy, pronto desde a segunda-feira, na manhã desta terça. Assesssor demissionário da Presidência da República, Freud é apontado como o responsável pela contratação de intermediários para a compra do dossiê com denúncias de envolvimento de tucanos na máfia dos sanguessugas.A Justiça ainda analisava o pedido do procurador no fim da manhã. Avelar não quis dar detalhes sobre o pedido, mas informou que se baseia no envolvimento de Freud com os as pessoas ligadas à negociação do dossiê.VedoinTambém a pedido do procurador da República, a Justiça do Estado de Mato Grosso decretou nesta terça-feira a prisão preventiva de Luiz Antonio e Darci Vedoin> Ambos são os proprietários da Planam, empresa que atuava como pivô da máfia dos sanguessugas.A Polícia Federal no Mato Grosso estava à procura do empresário Darci Vedoin, que estava em regime de liberdade na condição de réu colaborador. Darci e Luiz Antonio estavam sob prisão temporária mas ganharam a liberdade porque se mostraram dispostos a colaborar na apuração do processo dos sanguessugas.O procurador, no entanto, entendeu que eles violaram o benefício ao terem ocultado provas e negociado a divulgação de documentos.RenovaçãoA Justiça ainda renovou por mais cinco dias a prisão temporária de Valdebran Padilha, Gedimar Passos e do Paulo Roberto Trevisan, envolvidos na negociação para a venda de dossiê com denúncias contra tucanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.