Prefeitura de Sertãozinho
Prefeitura de Sertãozinho

Valdemar distribui áreas da RFFSA a prefeitos aliados

Deputado atua em órgãos do Ministério dos Transportes para obter liberação de terrenos para prefeituras paulistas sob sua influência

Julia Duailibi e Fernando Gallo, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2011 | 00h00

O deputado Valdemar Costa Neto (PR) atuou em órgãos públicos para conseguir a liberação, nos últimos dois anos, de terrenos da antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA), em São Paulo, pleiteados por prefeituras sob sua influência no interior paulista.

A antiga RFFSA foi extinta em 2007, e os imóveis da empresa ficaram sob a responsabilidade da Inventariança da Extinta Rede Ferroviária, ligada ao Ministério dos Transportes, feudo do PR. Os funcionários do órgão foram indicados pelo ex-ministro do Transportes, Alfredo Nascimento, e pelo atual titular da pasta, Paulo Sérgio Passos, ambos filiados à sigla de Valdemar.

O parlamentar foi reverenciado por prefeitos e vereadores como o responsável por ter viabilizado a obtenção dos terrenos. Participou, inclusive, de reuniões em prefeituras com chefes do Executivo e secretários municipais para tratar do assunto.

Em algumas delas, esteve acompanhado de Frederico Dias, que se apresentava como assessor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), afastado do órgão após se tornar público que ele nunca havia sido nomeado.

Os imóveis da RFFSA vêm sendo repassados para a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e para o Dnit , que têm competência para cedê-los a prefeituras e entidades - o responsável pelo Dnit em São Paulo, Ricardo Rossi Madalena, também é do PR.

Em um dos terrenos na capital paulista, foi instalada a Feira da Madrugada, que reúne ambulantes no bairro do Brás. De acordo com o empresário Geraldo de Souza Amorim, que alugava o terreno da Inventariança, servidores e parlamentares do PR cobraram propina para ele manter o empreendimento no local.

A antiga Rede Ferroviária tem mais de 50 mil imóveis.

Ajuda. Em 2010, Valdemar foi recebido pelo prefeito de Araraquara, Marcelo Barbieri (PMDB), para tratar dos terrenos da rede. Vereadores da cidade admitiram ter recorrido ao deputado para conseguir a liberação de uma área da extinta RFFSA, onde querem construir um prédio da Câmara Municipal.

Também no ano passado, o deputado chegou a posar para fotos e discursar durante evento em Sertãozinho, em que 17 mil metros quadrados de terreno da Rede Ferroviária foram cedidos.

O vereador Paulo Correa, do PR de Barretos, apresentou em 2009 requerimento à Câmara Municipal pedindo o registro em ata da Casa de "votos de congratulações e aplausos" ao inventariante da Rede Ferroviária, Cácio Ramos, e a Valdemar pela "luta incansável" para conseguir a transferência de imóveis a SPU, que os cederia a Barretos.

"Esta luta árdua, mas gratificante, resulta numa grande alegria para todos nós. Ninguém resolve nada sozinho e por isto contamos com o apoio dos deputados Valdemar Costa Neto e Luciana Costa e do prefeito", disse Correa, um ano depois, na cerimônia para assinatura da cessão provisória dos terrenos da SPU ao município de Barretos.

Também no ano passado, o prefeito Emanoel Carvalho (PTB) assinou termo de guarda provisória para a retirada da cidade antigos vagões da rede. Dias, o "assessor" do Dnit, representou o órgão no ato, que contou com a presença de Valdemar.

Em Olímpia, um vereador de oposição criticou em plenário o que chamou de "interferência" do deputado para liberar as terras. "Ele veio aqui e fez um estardalhaço com o prefeito. Chegou acompanhado de uma funcionária da SPU", disse João Magalhães (PMDB) sobre a participação de Valdemar em reunião para tratar dos terrenos com a Thaís Fernanda Lopes, da SPU.

Em Bebedouro, Pontal, Cruzeiro e Mogi das Cruzes, vereadores, prefeitos e integrantes do PR também disseram ter sido determinante a atuação de Valdemar para a liberação de imóveis.

De acordo com a SPU, ligada ao Ministério do Planejamento, 65 cidades paulistas foram beneficiadas pelo Programa de Destinação do Patrimônio da Extinta RFFSA, lançado em 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.