Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Vale e BHP terão fundo voluntário para recuperar Rio Doce

Presidente da mineradora brasileira afirma que as 'empresas de grande porte que quiserem participar serão bem-vindas'

Idiana Tomazelli e Mariana Durão, O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2015 | 13h31

RIO - O presidente da Vale, Murilo Ferreira, anunciou nesta sexta-feira, 27, que a mineradora brasileira e a anglo-australiana BHP Billinton, as duas donas da Samarco, criarão um fundo voluntário para a recuperação do Rio Doce, atingido pela lama despejada após o rompimento de duas barragens da Samarco, em Mariana, Minas Gerais.

"Vamos criar esse fundo voluntário dedicado à recuperação do Rio Doce", disse Ferreira, no Rio de Janeiro.

O valor do fundo, porém, ainda não está definido, explicou a diretora-executiva de Sustentabilidade, Vania Somavilla. "O objetivo é recuperar o rio, e isso tem de abranger questões como saneamento, mata ciliar, nascentes. É uma longa construção, mas o que queremos dizer é que vamos fazer agora", disse.

Segundo Ferreira, o fundo será auditado por grandes empresas internacionais e também está aberto a outras instituições e entidades que quiserem aderir de forma voluntária. Ferreira frisou que não há um modelo de participação a ser definido pela Vale.

"O fundo é voluntário, não é impositivo. Empresas de grande porte que quiserem participar e entidades internacionais serão bem-vindas", afirmou.

Na abertura, o presidente da Vale lamentou novamente o acidente, que deixou nove e dez desaparecidos. "É com alma triste e consternados que nós estamos aqui. Estamos preocupados com 5,2 mil funcionários que não sabem a respeito de seu futuro", disse.

Concorrentes. O executivo afirmou que a Samarco é concorrente da Vale e da BHP. Ferreira disse ainda que, por questões de governança, sequer havia visitado quaisquer operações da Samarco, em Minas Gerais ou no Espírito Santo.

"Nunca fui ao escritório da Samarco em Belo Horizonte, nunca fui a uma operação da Samarco em Mariana. Foi minha primeira vez, infelizmente no meio dessa dor toda. Quando dizemos que não temos interferência direta sobre a Samarco, é porque não podemos", comentou o presidente da Vale.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.