Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Vale sabia de problema em barragem desde 2017, diz MP de Minas

Segundo o Ministério Público falha em estrutura de Brumadinho foi discutida em reuniões e até em apresentação de Power Point

Renata Batista, O Estado de S. Paulo, e Leonardo Augusto, especial para o Estado

11 de março de 2019 | 21h30

BELO HORIZONTE E RIO - A Vale sabia desde o fim de 2017 que a barragem que se rompeu em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, não atendia a critérios de segurança, segundo o Ministério Público de Minas Gerais. O problema na estrutura foi discutido em reuniões e até em uma apresentação de Power Point com cálculos matemáticos. A empresa diz que nenhum depoimento de funcionários da Vale indica conhecimento prévio de risco de ruptura. 

"A situação começou a ser questionada no fim de 2017. Começaram então a discutir alternativas para que esse fator de segurança fosse melhorado. Uma dessas alternativas começou a ser implementada, surgiu um problema com a implementação, a empresa interrompeu e, a partir de então, nenhuma outra providência prática foi adotada", disse nesta segunda-feira, 11, a promotora Paula Ayres, da força-tarefa que apura a tragédia. O desastre já tem 200 mortos confirmados e 108 desaparecidos.

Segundo a promotora, não é possível determinar que alguém seja o responsável por não tomar as medidas necessárias. Até agora, 18 pessoas foram ouvidas. A maioria funcionários da Vale e da empresa Tüv Süd, que atestou a segurança da represa.

"Cada um teve acesso de alguma forma. Por e-mail, relatórios técnicos, recomendações, atas de reuniões em que isso foi discutido e até painéis de especialistas", disse Paula.

Para ela, a investigação aponta para crime doloso - quando há intenção. "Tudo indica que eles teriam que parar a produção e ficou-se sempre buscando uma solução que evitasse parar a operação", acrescentou. 

Empresa

Em nota, a Vale disse que "nenhum depoimento de funcionário da Vale indica conhecimento prévio" de  risco iminente de ruptura. Ainda conforme a mineradora, as "questões apontadas nas auditorias vinham sendo atendidas sob a orientação das próprias empresas de auditoria". 

A empresa disse ainda que os depoimentos de seus funcionários "refutam qualquer pressão" para concessão do laudo de estabilidade da estrutura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.