Fábio Teixeira / Agencia O Globo
Fábio Teixeira / Agencia O Globo

'Vamos apurar e cortar na própria carne', diz ministro da Defesa sobre 80 tiros em veículo no Rio

Segundo o ministro, os militares foram ouvidos pela Polícia Civil e foi constatado que as "normas de engajamento" não foram seguidas e, por isso, eles foram presos; músico foi sepultado na manhã desta quarta-feira

Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 12h19

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, classificou como "lamentável e triste incidente" a ação dos militares no Rio de Janeiro que resultou em 80 disparos contra um veículo onde estava uma família. No carro estavam o músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, e sua família. Evaldo morreu no local e duas pessoas ficaram feridas. O corpo do músico foi sepultado na manhã desta quarta-feira, 10, cemitério de Ricardo de Albuquerque, na zona norte do Rio.

"Lamentável Incidente. Foi um incidente, vamos apurar e cortar na própria carne", disse o ministro, durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional.

No último domingo, dez militares dispararam mais de 80 tiros contra um veículo em Guadalupe, zona norte do Rio. O carro foi supostamente confundido com outro automóvel no qual estariam criminosos. 

Segundo o ministro, os militares foram ouvidos pela Polícia Civil e foi constatado que as "normas de engajamento" não foram seguidas e, por isso, eles foram presos. "Lamentável, triste, mas fato isolado em relação às ações que os miliares atuam", concluiu o ministro.

Ontem, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, classificou como "incidente" o fuzilamento carro de uma família no Rio de Janeiro. Questionado se o presidente Jair Bolsonaro fez algum tipo de manifestação de pesar pela morte de uma das vítimas, o músico Evaldo Rosa dos Santos, o porta-voz negou. "Não, não fez", respondeu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.