Várias estradas que passam pela Região Serrana do Rio continuam bloqueadas

Previsão inicial do DER-RJ era de que estradas fossem liberadas neste sábado, o que não ocorrerá

RICARDO VALOTA , Estadão.com.br

15 de janeiro de 2011 | 02h20

A previsão de que até este sábado, 15, a situação estaria normalizada nas rodovias estaduais que passam pela Região Serrana não será confirmada. O Departamento de Estradas de Rodagem do Rio de Janeiro (DER-RJ) divulgou, na noite de sexta-feira, 14, um boletim sobre a situação das estradas.

A rodovia RJ-142 foi parcialmente liberada em meia pista após a retirada de 25 barreiras no trecho entre distritos de Muri a Lumiar, sendo assim mais uma opção de tráfego até Nova Friburgo. Foi liberado por completo o trecho que liga Lumiar até Casimiro de Abreu.

A RJ-130, que liga Teresópolis à Nova Friburgo, teve meia pista liberada no final noite de sexta-feira, 14. Já a RJ-150 deve ter a qualquer momento tráfego liberado em meia pista entre as cidades de Friburgo e Amparo assim que forem retiradas as barreiras entre os quilômetros 0 e 5,5.

Já a RJ-146 continua interditada devido às pontes que cederam no trecho entre o município de Bom Jardim e o distrito de Barra Alegre. A RJ-163 está liberada, somente para veículos leves, entre Capelinha e Visconde de Mauá, na Região do Médio Paraíba.

A RJ-155, que liga Barra Mansa à Angra dos Reis, sofreu com várias quedas de barreiras, mas está com tráfego liberado, com equipes do DER monitorando a região. A RJ-162, que liga o município de Rio das Ostras ao município de Trajano de Moraes, passando por Casimiro de Abreu e pela região serrana de Macaé, opera apenas em meia pista entre os quilômetros 73 e 74. Um bueiro estourou arrebentando parte do asfalto da estrada.

A RJ-194 está interrompida. O Rio Paraíba do Sul está aproximadamente 10 metros acima do nível e invadiu a rodovia numa distancia de 4 quilômetros de Gargaú. Com 44 quilômetros de extensão, essa rodovia liga o município de Campos dos Goytacazes até Gargaú, distrito do município de São Francisco de Itabapoana.

A RJ-172, que faz a ligação entre Macuco e Manuel de Moraes, continua interditada no trecho entre os quilômetros 5 e 18, devido ao transbordamento do Rio Grande. A situação é muito complicada nessa localidade, com diversas famílias desabrigadas e a falta de mantimentos (água e alimentação) para atender a região que está com difícil acesso.

A RJ-134, que faz a ligação entre o distrito de Posse, em Petrópolis, à localidade de Campanha, em Teresópolis, está interditada desde a entrada do município São José do Vale do Rio Preto até a BR-116 devido a várias quedas de barreiras, além da queda de duas cabeceiras da ponte logo no início da cidade. Funcionários e máquinas trabalham na limpeza e retirada de barreira. Estão sendo avaliadas as medidas a serem tomadas com relação à ponte e erosões de pista.

Veja também:

linkDilma determinou liberação de R$ 100 milhões para o Rio, diz ministro

linkRumor de arrastão fecha comércio em Teresópolis

linkDeslizamento é um dos dez maiores do mundo, diz ONU

linkA tragédia vista de perto: relatos de quem perdeu tudo

linkVeja como fazer doações para moradores do Rio

mais imagens GALERIA - Fotos da tragédia na Região Serrana

Em São Sebastião do Alto, a RJ-176 também está interditada devido ao transbordamento do rio Grande. Medidas de reparo emergenciais já começaram na localidade. A RJ-192, que liga São Fidelis à Itaocara, está com trafego normalizado, após uma pequena erosão na cabeceira da ponte, ocasionada pela elevação do Rio Grande, na localidade conhecida como Cambiasca.

Na RJ-116, que está sob administração da concessionária Rota 116, o tráfego segue normal até o quilômetro 75. Após esse trecho, na localidade de Muri, existe um sistema de "pare e siga". O mesmo procedimento está sendo adotado no quilômetro 92, no Vale do Tainá. Já o trecho localizado no quilômetro 102, em Bom Jardim, continua sem passagem após a queda das pontes.

Mais conteúdo sobre:
Riochuvasestradas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.