Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Vários endereços, todos na vizinhança

Receita de sucesso dos principais comerciantes inclui expansão na própria região e preços mais em conta

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

02 de dezembro de 2007 | 00h00

O Depósito de Meias São Jorge tem duas casas na mesma rua. O Armarinhos Fernando é mais espalhado ainda: tem cinco endereços na região. Os comerciantes que prosperam na 25 de Março nem sempre conseguem ampliar suas instalações comprando edifícios vizinhos. E, como não querem sair do pedaço, as placas acabam se repetindo com freqüência, sinalizando, em última instância, força nos negócios.A maioria começou numa salinha. O português Fernando dos Santos Esquerdo, dono da Armarinhos Fernando, é um dos símbolos de sucesso da 25 de Março. Ele chegou ao País em 1954, aos 14 anos, e foi trabalhar como faxineiro em um armarinho da região. Hoje, é dono de uma das maiores cadeias de lojas do local. Uma de suas unidades tem 2.800 metros quadrados. As mercadorias ficam dispostas em prateleiras, como num supermercado, de uma forma até confusa, mas o consumidor encontra de utensílios para cozinha a brinquedos.O mais forte da região no setor de lingeries - o Depósito de Meias São Jorge - já está sob o comando da segunda geração. Em 1954, Salvador Dib, o fundador, tinha apenas uma sala na Rua Ladeira Porto Geral, onde vendia meias. Morava alguns andares acima. Só diversificou os negócios, partindo para roupas íntimas, quando as mulheres perderam o hábito de usar meia de nylon. "Isso foi na década de 80", diz Daniela Dib, que agora comanda a loja. "Hoje temos 3 mil itens, que ficam no depósito do prédio principal, com quatro andares - dois destinados ao estoque."Abrir uma loja virtual foi outro caminho que a empresa encontrou para crescer. São 2 mil os clientes cadastrados. "Vendemos para todo o Brasil, pelo mesmo preço. O consumidor paga apenas o custo do correio", diz Daniela, que imprimiu um estilo mais moderno ao empreendimento. Desde que fundaram a loja, a região mudou muito. "Já passamos por todas as fases. Sobrevivemos porque sempre oferecemos peças de qualidade a bom preço", diz Daniela. "Lingerie é como ervilha em lata. Se você tem boa marca, ela pode ser vendida no supermercado da esquina ou no melhor dos Jardins. Eu garanto um preço 25% menor." Mas não é ruim estar no meio dessa confusão toda? "Quando vejo a rua lotada fico feliz", diz Salvador. "São os clientes voltando mais uma vez para a loja."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.