Vatican Media/AFP
Vatican Media/AFP

Papa revisa lei da Igreja Católica e amplia regras contra abuso sexual

Pontífice reformou o Livro VI do Código de Direito Canônico sobre sanções penais

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2021 | 09h18
Atualizado 01 de junho de 2021 | 11h35

O papa Francisco divulgou nesta terça-feira, 1º, a revisão mais abrangente da lei da Igreja Católica em quatro décadas, endurecendo regulamentos para clérigos que abusam de menores de idade e adultos vulneráveis, cometem fraudes ou ordenam mulheres.

A revisão, que está sendo preparada desde 2009, envolve toda a seção seis do Código de Direito Canônico da Igreja, composto por sete livros de cerca de 1.740 artigos. Trata-se da revisão mais abrangente desde que o código atual foi aprovado pelo papa João Paulo 2º em 1983.

Francisco lembrou os bispos que eles têm a responsabilidade de seguir a letra da lei e que uma das metas das revisões é "reduzir o número de casos nos quase a imposição de uma penalidade é deixada a critério das autoridades".

A nova seção, que envolve cerca de 80 artigos a respeito de crime e castigo, incorpora algumas mudanças feitas por pelos papas na lei da Igreja desde 1983 e apresenta novas categorias.

O monsenhor Filippo Iannone, chefe do departamento do Vaticano que supervisionou o projeto, disse que existiu "um clima de desleixo excessivo na interpretação da lei penal", graças ao qual às vezes a misericórdia foi posta à frente da justiça.

O abuso sexual de menores de idade foi colocado sob uma nova seção intitulada "Delitos Contra a Vida, a Dignidade e a Liberdade Humanas", ao invés da mais vaga "Crimes Contra Obrigações Especiais" anterior.

A seção foi ampliada para incluir novos crimes, como "cultivar" menores de idade ou adultos vulneráveis para abusos sexuais e a posse de pornografia infantil./REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.