Vazamento de óleo em SP prejudica abastecimento de água no RJ

Dois municípios fluminenses foram afetados por incidente em dutos da Transpetro na cidade de São José do Barreiro (SP), próxima da fronteira com o Rio

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

07 Maio 2013 | 11h11

RIO - Os municípios de Barra Mansa e Quatis, no sul Fluminense, estão com o abastecimento de água prejudicado nesta terça-feira, 7, após vazamento de óleo diesel num duto da Transpetro no município paulista de São José do Barreiro, ocorrido no domingo, 5. A Transpetro informou à Agência de Meio Ambiente de Resende (município vizinho a São José do Barreiro) que vazaram 8 mil litros de óleo, sendo que 5 mil litros foram bombeados antes de o diesel chegar ao Estado do Rio. Procurada pela reportagem na manhã desta terça, a estatal não informou o montante do vazamento.

Em Barra Mansa, cidade de 180 mil habitantes, apenas uma das três estações de captação de água da cidade está parada, segundo o Instituto Estadual do Ambiente (Inea-RJ). Já Quatis, com 13 mil moradores, suspendeu a captação completamente.

Superintendente do Inea na região, Miguel Arcanjo disse ao Estado que outras cidades abastecidas pelo Rio Paraíba do Sul (principal manancial de abastecimento do Estado do Rio) estão em alerta, como Porto Real, Barra Mansa (centro), Volta Redonda, Pinheiral, Barra do Piraí e Piraí. Caso o vazamento atinja o Rio Guandu, pode afetar o fornecimento de água para 12 milhões de habitantes da capital e da Região Metropolitana. "Se o óleo chegar ao Guandu, vai ser pouco. De qualquer forma, barreiras já foram colocadas no sistema Guandu para evitar problemas no abastecimento".

De acordo com a Transpetro, o vazamento ocorreu na noite de domingo, após criminosos invadirem as instalações da estatal e danificarem uma válvula para furtar diesel. Após o crime, os bandidos fugiram, e deixaram o óleo vazando. O diesel atingiu o rio Formoso (SP), chegou à cidade fluminense de Resende pelo rio Sesmaria e já atingiu o rio Paraíba do Sul.

O abastecimento em Resende não foi prejudicado porque o local de captação fica antes do ponto onde o rio Sesmaria encontra com o rio Paraíba do Sul. "Enviamos técnicos do município ao local do vazamento. Por sorte, o óleo atingiu um pasto antes de chegar ao rio Formoso. Isso reteve bastante diesel. Funcionários da Transpetro passaram a noite colocando boias em diversos pontos de Resende para evitar que o óleo continue descendo o Paraíba do Sul e atinja outras cidades. Também estão bombeando a água suja para caminhões-pipa, que levam o líquido para tanques onde é feita a separação da água do óleo", explicou Wilson Moura, presidente da Agência de Meio Ambiente de Resende (Amar).

Em nota, a Transpetro informou que comunicou o furto à Polícia Civil e à Companhia Ambiental (Cetesb) do Estado de São Paulo. "A Transpetro comunicou essa ação criminosa - que prejudica não só a companhia, mas toda a sociedade - às autoridades competentes, incluindo os órgãos ambientais. A empresa registrou ocorrência na delegacia policial e espera que essa quadrilha de furto de combustíveis seja desbaratada o quanto antes, com a consequente punição dos criminosos. A Transpetro está à disposição para colaborar com as investigações policiais".

Mais conteúdo sobre:
vazamento óleo transpetro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.