Vazamento deixou moradores sem almoçar

O vereador Marco Antonio de Oliveira (Bidu), do PPS, de 34 anos, morador há 13 anos do bairro Jardim Mutinga, em Barueri, a um quarteirão do local onde aconteceu o vazamento de gás liquefeito, na altura do quilômetro 18 da Rodovia Castelo Branco, ajudou a providenciar, a partir das 16 horas, junto com um funcionário da Petrobras que não quis se identificar, 1.200 refeições, água e refrigerantes para os cerca de 2.000 moradores dos bairros Jardim Mutinga, Santa Cecília e São Vicente de Paula, que tiveram que sair de suas casas às pressas por volta das 11 horas desta sexta, devido ao vazamento."Eu estava me preparando para sair quando vi uma nuvem branca sair do chão, de uns 10 metros de altura em frente à minha casa", disse o vereador.Não houve tumulto entre os moradores. Segundo o vereador, todos deixaram seus afazeres e saíram de suas casas, com medo de uma explosão."Com certeza foi Deus quem nos ajudou", disse Oliveira.A auxiliar de limpeza Isabel Sergio dos Santos, de 37 anos, estava cortando frango quando ouviu a movimentação dos vizinhos.Moradora da favela Área Livre e ex-funcionária da Petrobras, passou a mão nos dois filhos e saiu para a rua, alertando os vizinhos."Estamos morrendo de fome. Até agora não pudemos voltar para casa, e não nos deram nem água para beber. Eu estou com uma bolsa de colostomia e, se tivesse que sair correndo, morreria".Rafael, de 13 anos, filho de Isabel, disse que "isso é uma irresponsabilidade. Esse pessoal (da Petrobras) nunca fez um treinamento com a gente, para o caso de acidente."Uma vizinha, Maria José Bezerra Custódio, de 34 anos, confirmou a informação de Rafael e ainda contou que há mais de 10 anos houve um acidente com um duto de álcool da Petrobras, atrás de sua casa. "Morro de medo de morar aqui. Só não tenho condições para pagar aluguel em outro lugar."Seu filho Jonathas, de 9 anos, reclamava de dor de cabeça e dizia estar com muita fome. Sua filha de 6 anos, Açucena, pedia para voltar para casa.De acordo com o vereador Oliveira, a Prefeitura enviou ao local 21 viaturas da Guarda Municipal e quatro ambulâncias.Ele afirmou que cerca de 20 pessoas foram socorridas ao Pronto-Socorro Municipal do Jardim Mutinga, com náuseas, dor de cabeça e em conseuquência do susto.O vereador, que está dando apoio à população, disse que o prefeito, Gil Arantes (PFL), está viajando.O vereador confirma a informação dos moradores, de que nunca houve treinamento para evacuação da área em caso de acidente, e diz estar temeroso pelos moradores.Flávio Carvalho, dono da lanchonete Boi na Brasa, apesar de ter de vender todo o refrigerante e água do estoque para a Petrobras abastecer os moradores, além de 42 refeições a mais, disse estar preocupado com a situação de todos."Isto aqui é um barril de pólvora, ainda tenho que preparar as refeições no escuro."Às 17h45, o pedágio da Rodovia Castelo Branco sentido interior foi novamente fechado. Às 18 horas, o pedágio no sentido interior capital também foi fechado.As 1.200 refeições solicitadas pela Petrobras a São Paulo ainda não havia chegado. A previsão era para as 18h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.